Houston na web Youtube Flickr RSS

Blog Vou de Bike

Postado em 4 de fevereiro por gugamachado

Tags:, , ,

Você sabe calibrar os pneus da sua bike?

Ao contrário do imaginário geral, são as partes móveis da nossa bicicleta as mais importantes no desempenho dela! Não adianta nada ter um super câmbio, uma ótima suspensão, um freio a disco de última geração, se nosso movimento central, pedivela, cubos e rodas são de qualidade ruim. Então os primeiros “upgrades” em nossas magrelas devem ser as partes móveis.

Disto isto, não adianta nada ter uma roda e pneu de excelente qualidade, se não soubermos utilizar a calibragem correta. O objetivo deste post é instruir da melhor maneira possível o ato de calibrar nossos pneus, que não é tão simples quanto parece! Vamos lá?

O primeiro erro  comum é não conhecermos a calibragem correta de nossos pneus. Se você está enchendo seus pneus com uma “bomba de pé (chão)” ela provavelmente tem um relógio que registra a pressão do pneus. Na grande maioria das vezes, este relógio registra a pressão atual da bomba, e não do pneu. Só aí já podemos ter uma falha grande em nossa calibragem. Temos relatos de erros de mais de 10 PSI de diferença !!!! Para corrigir este erro, o ideal é um medidor/calibrador de pressão avulso, facilmente encontrado no mercado. Inclusive existem até versões digitais. Com isto, você enche seu pneu e verifica a calibragem a partir de um medidor destes.

 

Cada pneu tem a sua medida de calibragem em “PSI” ( forma abreviada do inglês pound force per square inch) e tem na sua face lateral impressa a medida máxima permitida para calibragem (veja exemplo abaixo, cujo valor é 36 PSI)

 

Normalmente, usamos a mesma medida de calibragem no pneu dianteiro e traseiro. Porém, nosso peso maior vai concentrado na roda traseira. Então aqui vai mais uma consideração importante!

Se você quer saber o quanto de diferença pode ter na calibragem dianteira e traseira, faça um teste simples:

1-) Pese-se com todo seu uniforme/ roupa (calçados/sapatilhas inclusos) segurando sua bicicleta;

2-) Ponha uma das rodas da bicicleta na balança e apoie a outra roda num bloco do mesmo tamanho da balança de modo a deixar a bike estável para você montá-la, e peça para um amigo apoiar você e sua bicicleta nesta posição, e verifique o peso acusado na balança.

3-) Mude a balança para a outra roda e faça o mesmo procedimento.

O montante total deve corresponder ao seu peso estático obtido no passo 1, e o peso dos passos 2 e 3 vai de lhe dar a percentagem de peso total em cada roda. Veja a diferença!

A má notícia é que aparentemente não existe nenhuma fórmula apoiada cientificamente, para ajustar a pressão dos pneus com base na distribuição de peso. Este é apenas um teste instrutivo porquê lhe mostra a diferença de peso entre uma roda e outra, mas não vai dar-lhe uma equação precisa para ajustar a pressão dos pneus. Vai somente te dar uma idéia de proporção.

A verdade é que qualquer que seja a pressão de sua preferência, ela vai depender de uma variedade de coisas, incluindo sua escolha de tipo de pneus e estilo de pilotagem. Mas a partir deste teste fica claro que você não deve utilizar  a mesma pressão frontal e traseira. Se você pesa 70 quilos, tem uma distribuição de peso 60-40, que seria 40 quilos sobre a roda traseira e 30 quilos na parte da frente. Então o ideal é você utilizar menos pressão na frente. De 15 a 20% de pressão a menos já é suficiente para equilibrar esta diferença.

Uma coisa importante: pneus vazam ar ao longo do tempo.Você verifica a pressão de seus pneus regularmente?

Câmaras “butil” (o tipo mais comum) vazam muito menos do que as versões de látex mais leves, mas eles ainda perde alguns PSI uma semana, principalmente se a bike fica parada! Você não precisa verificar a pressão antes de cada pedal, mas pelo menos uma vez por semana. Pneus “murchos”, além de tornarem a bike mais lenta, são mais suscetíveis a furos!

Nosso padrão é quase sempre “encher a mais”. A pressão máxima listada na parede lateral é geralmente mais para alta, e não leva em conta nenhum dos fatores que influenciam a pressão dos pneus tais como: o tamanho do ciclista, o  tipo de terreno, dentre outros fatores.

Durante muito tempo fomos “doutrinados” a pensar que  pressões mais elevadas oferecem menos resistência ao rolamento. E pressões mais elevadas também reduzem a probabilidade de furos. Como dissemos acima, isto é verdade.

Porém, se você  mudou para pneus mais largos, você deve baixar a pressão. Eis o porquê:

• Pneus mais largos têm um volume maior, então você deve diminuir a pressão proporcionalmente. Eles também têm menos deformação da parede lateral, que reduz a resistência ao rolamento em comparação com pneus estreitos a uma dada pressão.

• A resistência ao rolamento faz aumentar com a pressão mais baixa, mas vários estudos revelam que em vários pneus de estrada, a resistência ao rolamento aumenta apenas ligeiramente, na ordem de alguns watts de potência, mesmo com pressões para baixo de 60 PSI em pneus de estrada padrão. As maiores diferenças na resistência ao rolamento não estão em pressão, mas no tipo de pneu que você está usando.

• A menor pressão aumenta aderência em curva, em parte através do aumento da área de contato. Um pneu de baixa pressão também deforma mais em torno da superfície da estrada, o que é, em parte, o responsável pelo aumento na resistência ao rolamento. Mas um pneu muito inflado vai te passar no guidão todas as irregularidades do terreno. Então ao utilizarmos uma pressão mais baixa, você ganha bônus: Além de aumentar a aderência de sua bike, você também sentirá muito mais conforto, principalmente em caminhos “off-road”!

Experimente murchar seus pneus dianteiro e traseiro, digamos, 5 por cento cada (por cento, não PSI, porque lembre-se, dianteiro e traseiro são diferentes e devem ser alteradas proporcionalmente). Vá pedalar e veja como sente a bike. Se for o caso, diminua um pouco mais.

Pode demorar um pouco, mas ao “achar” pressão ideal dos seus pneus você terá de brinde uma viagem mais confortável com uma sensação de maior segurança ao fazer curvas mais fechadas, principalmente em trilhas. Se perceber a roda da frente “bobear” um pouco nas curvas, no próximo rolê aumente um pouco mais a calibragem.

Daí, ao encontrar a sua calibragem ideal, lembre-se de anotá-la e guardar esta anotação!

Porém se você  mudar o tamanho e/ou marca de pneus, deve repetir todo este processo novamente!

Boa sorte com mais esta dica!


Comentário

  • Sou um ciclista amador, pedalo muito pouco, apenas passeios curtos. Fiquei com uma curiosidade se existe algum problema em ter o pneu traseiro com largura maior que o dianteiro, mas ambos aro 26. Existe algum problema?

    ROBERTO MACEDO

Comente Você Também

Para publicar seus comentários aqui com seu Avatar, cadastre-se no: