Houston na web Youtube Flickr RSS

Blog Vou de Bike

Postado em 17 de janeiro por gugamachado

Tags:, , ,

10 Razões para te convencer a comprar uma bicicleta nova!

Diz o dito popular: será que eu devo casar ou comprar uma bicicleta? Por aqui, nós acreditamos nos dois! E a imagem acima reflete bem isto! Afinal, por que não casar de bike, como fez nosso amigo Willian Cruz, do Vá de Bike?

Mas nosso objetivo aqui é falar da bicicleta, pois casamento é realmente algo muito complexo para tratar num simples post…

E daí vem a pergunta: será que eu preciso de uma bicicleta nova? São tantos modelos, tantas escolhas, tantas funções diferentes…Mas também, se eu tivesse uma bike nova eu usaria ela mais, pedalaria mais pro trabalho, me exercitaria mais, o que me ajudaria muito na minha saúde e nas minhas finanças, além de poupar meu tempo, pois a bike e um veículo muito eficiente nos deslocamentos urbanos…

Mas, qual o número certo de bikes para se ter? Aqui temos uma complexa fórmula matemática, que é N + 1, sendo que N é o número atual de bicicletas que você possui…Ou seja, se você realmente pedala, sempre está de olho num outro modelo, que vai trazer uma nova vantagem…E bicicletas são coisas mágicas, onde, sem ostentação, tanto faz uma bike de “magazine” quanto o último modelo daquela marca cobiçada, a sensação de liberdade e vento no rosto será sempre a mesma!

Então, se você está procurando uma razão para aumentar sua coleção, deixa a gente te ajudar! Afinal, sabemos como começa…Primeiro você manda arrumar aquela sua velha bicicleta que estava encostada tomando poeira em algum canto da sua casa…Passado algum tempo e muito prazer, você descobre que ela, apesar de tudo, já não te atende mais em certos percursos…Daí volta na loja e é apresentado ao fabuloso mundo das “Mountain Bikes”…. Muitas trilhas depois, você começa a sentir falta de desempenho, e percebe que todos os seus amigos que “pedalam mais forte” costumam treinar de “Speed” ou “Road Bikes”….Daí já viu né??? Mas nenhuma delas é muito adequada para se utilizar como meio de transporte, então….

Então, se você está procurando uma razão para adquirir esta nova bike que você está cobiçando, ou precisa de uma justificativa convincente para persuadir o seu parceiro/pais/ gerente de banco que isto não é um desperdício de dinheiro, vamos ajudá-lo com estas (desculpas esfarrapadas) justificativas profundas!

Seria bom você iniciar praticando-as na frente de um espelho para garantir que você tenha um discurso suave e natural!

1. Minha bicicleta velha está quebrada!

Uma velha e boa desculpa, e muito difícil de ser combatida! Tudo bem que esta “quebra” pode variar muito… Um pneu furado e alguns raios quebrados não são exatamente algo irreparável, mas muita ferrugem, rachaduras, peças que se soltam sozinhas, câmbios e freios que não funcionam, certamente sugerem que é hora de uma nova bicicleta!

2. Eu preciso vender minha bicicleta  antiga antes que seu valor de revenda caia!

A indústria de bicicletas está inovando mais rápido do que uma sala cheia de engenheiros da Apple, ou assim parece. Esta bike na qual você acabou de investir uma fortuna estará obsoleta antes da próxima estação do ano, então, se você quiser vendê-la a um bom preço é melhor fazê-lo rapidamente. E, claro, ter uma bicicleta nova para substituí-la.

3. A nova bicicleta é realmente a bike que você sempre quis e você nunca mais vai precisar de outra

Esta razão deve ser utilizada com muito cuidado. É um argumento para se utilizar uma só vez, pois pode colocar suas futuras compras em risco!

Essencialmente, este argumento pode significar que todas as bicicletas que você teve antes não eram muito boas, e, finalmente, as novas tecnologias e design das bicicletas se uniram para criar a “bicicleta definitiva”, com geometria e componentes incríveis e um visual “matador”! Ou seja, a bicicleta para acabar com todas as bicicletas!

Até a próxima ser lançada…

4. A nova bicicleta vai me ajudar a ficar “em forma”

Se você adquirir esta nova bike, vai pedalar mais e ficar mais saudável e “em forma”. Este argumento é bem forte, pois todo mundo sabe que as bicicletas são boas para o seu bem-estar físico e mental, certo? E quanto mais “em forma” você estiver, menor o risco de desenvolvimento de várias doenças, tais como as doenças cardíacas, no futuro. Quando você pensa sobre isso, não é apenas uma bicicleta nova, mas um investimento em sua saúde futura.

5. A nova bike vai realmente me poupar dinheiro

Apesar do investimento na novíssima bicicleta, se você tivesse este determinado modelo você estaria economizando o dinheiro gasto em transporte/academia/remédios. Assim, embora você esteja gastando dinheiro em uma bicicleta nova, na realidade, você está economizando dinheiro no longo prazo.

6. Eu tenho que comprá-lo antes que a economia enlouqueça!

Em face da incerteza econômica global provocada pela Brexit / Donald Trump / Dilma-Temer, existem chances reais dos preços subirem! . Então, realmente é crucial que você compre sua bike agora!

7. Eu sei que já tenho uma bicicleta de estrada, mas as estradas são irregulares  e uma bicicleta “off road” (MTB) seria mais apropriada

Nós usamos um exemplo de bicicleta de estrada aqui, mas existem muitas variações sobre o tema. Tudo se resume a garantir que sua bike seja realmente apta ao seu percurso, certo?

Você não gostaria de destruir seu querido quadro de fibra de carbono em estradas irregulares…Afinal, as “mountain bikes” são feitas para isto! Da mesma forma, aquela linda bicicleta de montanha “full suspension” que você comprou para as suas aventuras “all-mountain”  não vai assim tão bem nas curtas e sinuosas estradas de terra próximas de sua casa…Seria muito mais divertido ter uma MTB clássica do tipo “hard tail”, né?

Variações sobre o tema…Claro que sempre se preocupando com a segurança do ciclista e com a durabilidade da bike…

8. É mais barato comprar uma nova bicicleta do que atualizar a antiga

Você está com sua bike atual a algum tempo, e agora ela precisa de uma bela manutenção! Se tiver que trocar peças,  não será nada barato! Quando você tiver feito orçamento de um novo grupo de componentes, suspensão dianteira, rodas e pneus mais leves, além da revisão em sim, vai concluir que este custo as vezes pode chegar perto de uma bike nova! Além disso, ao comprar uma nova bike, você pode vender a antiga e obter algum dinheiro para ajudar no custo da nova aquisição!

Claro, são grandes as chances de você não querer vender sua bike antiga…

9. Eu estou apoiando o comércio local e nacional

Lojas de bicicletas locais são uma parte importante da economia da bicicleta, muitas vezes agindo como o centro social e cultural da cena local. Seu mecânico amigo está sempre à disposição para oferecer conselhos ou ter longas conversas sobre o mais recente grupo de componentes ou os resultados das competições mais recentes. Passar em sua loja local garante que eles possam continuar a sobreviver, e também significa que você terá um atendimento e um serviço muito mais eficiente no caso de um problema em sua nova bike.

E nós poderíamos ir mais longe! A economia nacional precisa do dinheiro circulando a fim de crescer. Assim, através da compra de uma bicicleta você está realmente ajudando o país, impulsionando a economia e ajudando a combater a recessão. Comprar uma bicicleta é o seu dever patriótico!

10. Minha bicicleta velha está desatualizada

Os padrões da indústria mudaram, há um monte de novas tecnologias e novo grupo de acessórios, câmbios e freios saindo em uma base quase diária. Assim, se você não se atualizar, você ficará como uma “Brompton” (bicicleta dobrável) num campo de “Pinarellos” (bicicleta do tipo “road” de alta performance), ou seja, você vai ser deixado para trás, tentando andar na estrada empoeirada por todos os outros ciclistas que se atualizaram. E você não quer isso, não é?

A alternativa

Se nenhum destes argumentos funcionarem, você sempre pode tentar o caminho da “ilusão”. Certifique-se de que sua nova bicicleta é tão semelhante à antiga quanto possível, em seguida, afirme que é a mesma bike!

Atenção: isto só funciona se a pessoa que você está tentando convencer não é ciclista…

 

 


Postado em 8 de janeiro por Eu Vou de Bike

Tags:, ,

Por uma vida mais feliz e intensa em 2018

Mais um ano se passou, e ao longo de 2018 nós pedalamos muito ao lado dos amigos, familiares e conhecidos. Sobre a bicicleta, fizemos muitas amizades, conhecemos novas culturas e novas opiniões. Com a bicicleta, mudamos de vida.

E é por isso que vamos continuar pedalando em 2019. E convidamos você a pedalar cada dia mais, transformando a bicicleta em uma ferramenta essencial para uma vida melhor e mais saudável!

O vídeo abaixo já foi publicado aqui no Eu Vou de Bike, mas é sempre bom revê-lo porque é uma ótima mensagem para iniciar um novo ano.

Batizado de Holstee Manifesto, o vídeo é um chamado para uma vida mais criativa, cheia de paixões e boas intenções. “Enquanto procuramos viver em um estilo de vida que deixa impactos positivos nas pessoas e no mundo ao nosso redor, a bicicleta se tornou uma paixão que é muito mais que uma alternativa de transporte. É uma maneira de viver intensamente todos os detalhes da cidade que amamos”.

Feliz 2019 é o que deseja a equipe do site Eu Vou de Bike!


Postado em 20 de dezembro por Eu Vou de Bike

Tags:

Feliz Natal e um Excelente 2019 !!!

O Eu Vou de Bike deseja a todos excelente um Natal e um 2019 de muitas pedaladas e alegrias!

- Foto no Flickr do Bilobicicles


Postado em 13 de dezembro por gugamachado

Tags:, , , , ,

Audax e Corinthians: o timão das bikes!!!!





Postado em 6 de dezembro por gugamachado

Tags:, , , , , ,

Filmando o Rolê (parte 4)

Neste post daremos algumas dicas de ajustes básicos para que sua filmagem fique com uma cara profissional!

- Procure selecionar a resolução que vai captar compatível com seu equipamento de edição. Como já dissemos anteriormente, uma resolução muito alta gera arquivos muito grandes e difíceis de serem processados. Tudo depende do seu objetivo final. Se o filme for utilizado profissionalmente, justifica-se utilizar o máximo de resolução disponível. Se for o caso de utilizá-lo somente para a web, não precisamos de uma resolução tão grande assim. Ainda tem a questão da “câmera lenta”, que vai muito bem quando estamos filmando tomadas que tenham muitas “manobras”. Neste caso, existe uma resolução específica para isto (FULL HD/120p ou HD/240p). Em nossa experiência, temos utilizado a resolução FULL HD 1920 x 1080, com 60 fps. Ela é satisfatória para utilizá-la em broadcast (qualidade profissional) e pode ser reduzida na edição para gerar um arquivo menor para web. Note que nossa Sony filma em até 4 K (resolução ultra HD) !!!! Posteriormente traremos alguns filmes para ilustrar de maneira prática estas diferenças.

- Se sua câmera tiver algum recurso de estabilização de imagem, o ideal é ativá-lo. No caso da nossa, este recurso chama-se “Stead Shot” e faz uma grande diferença, comprometendo muito pouco da imagem final. Mas utilize o recurso principalmente se for andar por locais acidentados.

- O ideal também é ativar o recurso de “filtro de ruído”, do tipo “wind noise reduction”. Normalmente o barulho do vento é bem intenso e pode comprometer o resultado final.

- Ainda se sua camera tiver uma “case” plástica de proteção, o ideal é utilizá-la, pois em caso de um tombo ou de poeira ela irá proteger seu equipamento. Note que este estojo pode comprometer a captação de som ambiente, e principalmente alguma eventual narração. Neste caso, o ideal é realizar a narração “em off”, na edição a ser feita posteriormente.

- Quando estiver pedalando, para dar mais “dinâmica” a sua filmagem, é legal ter sempre um “parceiro” no pedal, de modo que um possa filmar o outro, não ficando apenas com uma imagem de “primeira pessoa”. Você pode montar sua câmera no canote do selim por exemplo, e filmar seu parceiro atrás de você. Depois pode mudar a câmera para o guidão da bike dele, pedindo para que ele pedale atrás de você, captando assim uma imagem posterior da sua bike.  Daí é só misturar estes ângulos todos na edição final. Com esta variação de captação, seu filme fica bem mais dinâmico e interessante de ser visto!

- No caso da nossa Sony, tem um recurso bem legal que é a geolocalização nativa via GPS na câmera. A partir destes dados, ela dispõe um arquivo próprio que registra o percurso, bem como a velocidade da bike, disponibilizando tudo na edição final, através de um software proprietário. Veja no print abaixo!

 

 

E aí? Animado para ser o “Spielberg” das duas rodas????

Se você não viu ainda, as outras partes desta matéria estão aqui, aqui e aqui.


Postado em 29 de novembro por gugamachado

Tags:, , , ,

Filmando o Rolê (parte 3)

Continuando nossa série de posts sobre filmagem na bicicleta, agora seremos mais específicos, numa espécie de “passo-a-passo.”

Antes de filmar o rolê, verifique:

- se a carga da bateria da camera está completa. Infelizmente, baterias ainda são os pontos fracos de nossos queridos “gadgets”, muitas vezes deixando a gente na mão…Então o ideal é iniciar o rolê com a maior carga possível, levando inclusive uma bateria auxiliar. Em nossa experiência com a Sony, a duração média da bateria tem sido de quase 2 horas, bastante aceitável para a proposta!

 

- se o seu cartão de memória está “livre”. Video é o tipo de arquivo que consome bastante memória. E dependendo da resolução a ser utilizada (falaremos sobre isto em outro post), o arquivo é enorme! Então procure ter um cartão com o máximo de capacidade que você possa comprar, e principalmente, verifique se ele está vazio, ou seja, sem nenhum arquivo previamente gravado e “esquecido” por lá! Isto de ir gravando sem apagar conteúdos que já utilizamos é uma prática mais comum do que imaginamos….
- conheça as lentes de sua camera! Normalmente, as cameras de “ação” possuem lentes do tipo “fish eye”, que são lentes grande angulares, porém com um pouco de distorção nas bordas. Elas costumam pegar tudo que está num angulo de 170 graus. Daí a necessidade manter o objeto do seu filme sempre no centro da lente! Em alguns modelos, como é o caso da nossa Sony, é possível regular este angulo, reduzindo para 120 graus. Com isto, você diminui  seu campo de captação de imagem, porém diminui também a distorção nas laterais da filmagem bem como a sensação de “movimentos rápidos e bruscos” que este tipo de captação de imagem normalmente fornece!

 

- qual será seu “angulo de captação” de imagens. Isto é muito importante para que depois sua filmagem fique atrativa. Aliás, este é um dos pontos mais complexos quando se filma a partir de primeira pessoa, principalmente na bicicleta. A idéia é que nós possamos passar a sensação para nossa audiência de estar “andando” conosco. Por isto o enquadramento é tão importante, para que a imagem não fique “baixa demais” e só filme o chão, e nem “alta demais”, filmando só o céu… Normalmente as “action cams” não possuem displays como as cameras comuns, para economizar em peso e espaço.Assim, para resolver este problema, o ideal é fazer um monitoramento prévio do enquadramento, ou seja, posicione sua camera da maneira que achar conveniente, filme um pequeno trecho na condição exata que fará o rolê, e assista o resultado, fazendo as correções necessárias. Nas cameras mais atuais, temos o recurso de sincronia via Wi-Fi com smartphones, que fazem com que este se transforme em um monitor para nossa camera, facilitando muito o posicionamento desta, bem como até possibilitando algumas regulagens do menu da camera! No caso da nossa Sony, além de ter este recurso, ela conta também, como acessório opcional, com um “controle remoto” com tela (veja na foto que ilustra este post), que sincroniza perfeitamente com a camera, e que fica posicionado em nosso pulso, como um relógio, permitindo assim a verificação e ajuste constante do que estamos filmando, além do acionamento da mesma, facilitando muito a operação! Mais para frente faremos um tópico exclusivo sobre este tema de posicionamento da camera.

 

- qual resolução irá utilizar. Este também é um tema complexo que merecerá um capítulo exclusivo! Mas, basicamente, quanto maior a resolução (Full HD, por exemplo, que são 1.920 por 1.080 linhas, fornecendo uma imagem com mais de 2.000.000 de pixels, sendo atualmente presente em 70% dos televisores vendidos no Brasil), maior será a qualidade do arquivo, porém ocupando mais espaço no seu cartão de memória. Um arquivo muito grande também dificulta a edição posterior de imagens, e certamente terá que ser “convertido e reduzido” quando você for publicar seu video online. Muitas cameras também permitem o ajuste de “quadros por segundo” (trataremos posteriormente com mais profundidade). Por padrão, este ajuste pode ser de 30 FPS (frames por segundo). Porém, quanto mais “frames por segundo”, maior a “fluidez” da imagem.
- qual será o posicionamento de sua camera. Você pode posicioná-la tanto no capacete, quanto no quadro da bike. Em alguns casos, pode posicioná-la inclusive na sua mochila! Novamente aqui, o ideal é testar todas as possibilidades e ver qual mais te agrada! Também faremos um post exclusivo sobre posicionamento de camera, mostrando as possibilidades e os resultados.

E aí, pronto pra filmar seu rolê? Com todas estas medidas, certamente você será a nova atração da família!!!!! Agora é só definir o local, o percurso e disparar sua camera!!!

Você pode ler nossos dois posts anteriores sobre o assunto aqui  e aqui.


Postado em 22 de novembro por gugamachado

Tags:, ,

Filmando o Rolê (parte 2)

 

Mostrar ao mundo todo suas habilidades em duas rodas, ou mesmo sua vivência e experiência na bike, através da web, é fácil, divertido e pode ajudar a você e outros ciclistas a expandirem seus limites!

Hoje em dia com a chegada da categoria das “Action Cams”, tudo ficou ainda mais interessante e desafiador, pois é possível fazer um filme de alta qualidade, pronto para “tirar qualquer sedentário do sofá”!

Por aqui estamos tendo uma excelente experiência com a Sony FDR – X1000V, e queremos com isto dar algumas  dicas a partir de nosso uso, para que os que ainda não filmam seu rolê, passem a fazer isto com mais frequência!

Em nosso post anterior , tratamos sobre o uso da câmera como equipamento de segurança.

Agora iniciaremos com dicas gerais, que vão abordar aspectos para você utilizar desde a captação até a edição de suas imagens!

Mas lembre-se: tudo o que você necessita é de uma boa câmera, e principalmente de uma mente criativa!

Esteja Preparado!

1- Antes de fazer o seu, assista vários videos na web, para se inspirar sobre seus “takes” (o que vai filmar), bem como seus ângulos de filmagem (no próximo post falaremos melhor sobre o posicionamento da câmera em si);

2- Pense sobre alguns lugares legais que você conhece, bem como alguns “truques” que você faz com sua bike! Anote tudo numa “lista de filmagem”, que depois pode se tornar seu roteiro!

3- Você deve “contar uma estória” com seu video, pensando em início, meio e final! Se for filmar uma trilha, por exemplo, você pode mostrar brevemente como foi seu café da manhã, depois o encontro com a galera, a escolha do “pico”, o início do pedal, alguns tombos (hahahaha, esta é a parte de a galera mais gosta!!!) e o final na padaria ou no bar! Quanto mais criativo, melhor será seu resultado!

4- Tente estabelecer um “tema” para seu filme! Por exemplo: “rolê gastronômico”, mostrando locais que você adora frequentar. Ou se for mais específico, uma técnica de bike. Fazer um filme só com “downhill”, ou só mostrando suas manobras de BMX funciona muito bem!

5- E se você pedala mais de um “estilo”, speed e mountain bike, por exemplo, pode fazer um video misturando um pouco estes dois mundos – isto costuma dar uma boa audiência!

No mais, pense sempre se você mesmo gostaria de assistir ao vídeo que acabou de postar!


Postado em 8 de novembro por gugamachado

Tags:, , , ,

Filmando o Rolê (parte 1)

 

Atualmente, a maioria da pessoas carrega no bolso uma camera fotográfica/filmadora com qualidade bem razoável, pronta para ser utilizada em qualquer ocasião!

Porém, quando falamos em filmar nosso rolê de bike, a exigência do equipamento aumenta consideravelmente, uma vez que, dentre outras coisas, uma camera adequada para esta finalidade precisa ser resistente e ter uma certa estabilidade de imagens. Daí caímos na categoria das “action cams”, cujo numero de modelos e fabricantes vem crescendo a cada dia.

A Sony do Brasil gentilmente nos presenteou com uma camera deste tipo, que dentre muitos recursos, filma com a altíssima resolução 4K.

Nossa idéia é fazer uma série de posts com dicas de filmagem e utilização destas cameras em nossa prática diária, quer seja numa aventura, num passeio, ou num deslocamento como transporte!

Começando por este último uso, com o recente aumento da presença das bicicletas nos grandes centros urbanos, em especial na cidade de São Paulo, temos testemunhado também uma certa dificuldade no convívio entre motoristas e ciclistas. Inclusive com xingamentos e com as criminosas “finas educativas”….

E uma maneira de se prevenir ou mesmo de registrar este tipo de conduta é utilizar uma camera ostensivamente presa em nosso capacete ou bicicleta, gravando nosso trajeto todo o tempo, em modo “loop” (mais adiante falaremos sobre isto), como uma verdadeira camera fixa de segurança!

Nestes dias temos feito este tipo de utilização, e, acreditem, ela funciona! Além dos possíveis agressores se sentirem “inibidos” com a possibilidade de serem filmados ao cometerem alguma infração (afinal, esta é, ou ao menos deveria ser, a função dos radares), se realmente formos vitimados, temos a possibilidade de uma defesa mais documentada!

E, em tempos de youtube e redes sociais, podemos até “educar” outros motoristas através destes vídeos! Mostrar como conviver com ciclistas, e principalmente o que não se deve fazer nesta convivência!

Nada melhor do que se colocar na “pele” do outro. Recentemente, uma empresa de ônibus de Recife colocou seus motoristas para pedalarem em bicicletas estáticas, enquanto outros motoristas  de ônibus passavam a 50 cm destes. Veja o resultado deste “experimento” aqui…

 

Então, nossa primeira dica é utilizar uma filmadora em loop recording (gravação em ciclos), que é um modo de filmagem semelhante a das cameras de segurança, onde não precisamos nos preocupar com “descarregar” as imagens para liberar memória, pois quando a camera atinge seu limite, ela inicia a gravação automaticamente do início do cartão. Nosso modelo tem este recurso, que você também encontra em cameras mais simples e mais baratas.

Portanto, ao selecionar seu equipamento, veja se ele tem esta característica!

E como diz o ditado, uma imagem vale mais que mil palavras!

#sonyactioncam

#registreoextremo


Postado em 1 de novembro por gugamachado

Tags:, , , , ,

Veja 10 dicas que o pessoal da Sony com a nossa colaboração preparou para você pedalar na cidade!


Postado em 25 de outubro por gugamachado

Tags:,

As influências climáticas na pedalada

Bicicleta na Chuva

Costumamos dizer que um dos maiores inimigos do ciclista é o clima, desde que este nos pegue despreparados!

Numa cidade como São Paulo, as vezes vivemos as quatro estações no mesmo dia!

O sol pode castigar o ciclista e a chuva pode esconder buracos no asfalto e ainda atrapalhar na hora de usar o freio. Portanto, esteja preparado para as mudanças climáticas e saiba como evitar acidentes nas mais variadas condições.

Quando pedalamos em dias ensolarados, é comum que o nível de raios ultra-violeta aumente, por isso é muito recomendado usar óculos com proteção aos raios UV. Além disso, o óculos também protege contra pequenos detritos do asfalto, levantados pelos carros que passam, até pequenas folhas, galhos e poeira, como já comentamos no post sobre equipamentos recomendados para uma pedalada mais segura.

Em dias de sol, o ciclista também deve dar atenção especial à hidratação do corpo, que acaba perdendo muito mais líquidos em dias quentes. A pele deve ser sempre protegida com creme ou gel bloqueador solar. Não se esqueça da nuca, que fica muito exposta na bicicleta, e também dos braços e mãos, caso não esteja usando luvas. Usar roupas claras também ajuda a dissipar o calor.

Pedalar na chuva é possível, mas você deve tomar cuidado redobrado. Com o chão molhado, reduza sempre a velocidade. Além de diminuir a visibilidade e a audição tanto do ciclista quanto do motorista, a pista molhada reduz a aderência dos pneus ao solo, fazendo com que a distância de frenagem da bicicleta aumente ou se torne irregular. Por isto, nesta situação, utilize o freio delicadamente.

Se houver muita água acumulada na pista, tome cuidado e desvie das poças, que podem esconder algum buraco no asfalto. Quando chove, o ciclista também deve ter cautela ao passar sobre paralelepípedos, tampas de bueiros e sinalização pintada no solo, que se tornam um “sabão” quando molhados. Ao pedalar durante a noite ou sob chuva, utilize sempre um farolete de iluminação para aumentar sua segurança. E capacete sempre, né?!

Com essas dicas, você vai ver como é possível pedalar sob as mais adversas condições. Mesmo que você não planeje pedalar na chuva, nunca se sabe quando o tempo vai virar e às vezes pode ser impossível fugir do temporal.



Próxima