Houston na web Youtube Flickr RSS

Blog Vou de Bike

Postado em 16 de maio por gugamachado

Tags:, , , , ,

Então sua bicicleta foi roubada…

Hoje estamos aqui para tratar de um assunto infelizmente muito recorrente em nossos dias. Com o aumento do uso da bicicleta como meio de transporte e de lazer no Brasil, em especial nas grandes capitais, aumentou também o número de furtos e roubos.

Antigamente, os criminosos não tinham muita noção dos valores das bicicletas, e achavam que bicicleta não era algo muito lucrativo, pois era coisa de “gente pobre”…

Infelizmente, eles descobriram que uma boa parte das bicicletas tem um valor considerável, algumas chegando a custar o valor de um automóvel! E mais infelizmente ainda, existe um grande comércio para este tipo de crime no Brasil, principalmente através de sites que vendem peças com preços muito abaixo dos de mercado, claramente suspeitos…

Então, aqui fica o primeiro alerta: se encontrar um site destes, fique atento! Pois se diminuirmos o comércio, diminui também a demanda por roubos e furtos…Ou seja: comprar bicicletas e peças, só com procedência idônea comprovada!

Então, sua bicicleta foi roubada… Depois de se recuperar do susto inicial e do sentimento de “soco no estômago”,  além do sentimento de impotência e de injustiça, a gente deve por a cabeça no lugar e começar a agir racionalmente com o foco de recuperar nossa querida amiga e companheira de todos os dias.

A boa notícia é que hoje em dia existem alguns recursos que podem permitir com que recuperemos nossa bicicleta. Obviamente, em primeiro lugar, existem algumas manobras preventivas que são:

- procurar não chamar atenção, até cobrindo a marca da bicicleta, e/ou utilizando outros recursos para disfarçar o valor da mesma;

- se for uma bicicleta com um valor significativo, você pode fazer um seguro da mesma;

- evitar pedalar em lugares notoriamente perigosos, onde já tenham havido outros roubos;

- evitar parar a bicicleta na rua, mesmo que bem presa. Mas se precisar fazê-lo, procurar amarrá-la através de bons cadeados e travas (tipo “U-Lock, por exemplo. Aqui, siga a dica de ciclistas mais experientes e procure comprar a melhor trava que seu dinheiro permita) em locais bem iluminados e com bastante visibilidade e trânsito de pessoas.

No caso do roubo/ furto consumado, você pode seguir alguns passos no sentido de ter sua magrela de volta!

Inicialmente, você deve registrar um Boletim de Ocorrência Policial na delegacia de sua região. Atualmente, esta manobra ficou bem mais fácil, e se não houver violência, em muitos casos pode até ser realizada “online”. Lembre-se de registrar todas as características possíveis da bike, e principalmente o número de série e fotos. Aliás, se você não tem estes dados com você, pare de ler este post agora e vá anotar o número de série da sua bicicleta, bem como fazer algumas fotos! O número de série da bicicleta geralmente se encontra embaixo do quadro, na região do movimento central (onde ficam instalados os pedais). Procure verificar se no local onde ocorreu o fato havia alguma camera de segurança, e registre também esta informação.

Inclusive com este número de série, você pode e deve fazer mais uma manobra preventiva: registrar sua bike num site especializado, tal como o Bike Registrada. Nós já tratamos dele neste post.

Após a ocorrência, você deve registrar o fato neste mesmo site, bem como em outros sites especializados na situação de roubos, tais como o “Bicicletas Roubadas”. Nestes registros, inclua o máximo de informações que puder.

Vasculhe anúncios de sites como “Mercado Livre” ou “Craigslist” para ver se encontra sua bicicleta. Parece loucura, mas já ouvimos situações onde bicicletas roubadas foram comercializadas nestes tipos de sites…Importante: se você conseguir encontrar sua bicicleta, contate a  polícia!!! Não tente dar “uma de herói” pois estes criminosos podem ser muito perigosos e violentos! Se você encontrar sua bicicleta num destes sites, faça um novo endereço de e-mail falso e finja ser um comprador interessado, tentando obter informações sobre e-mail e número de telefone do vendedor para que você pode passar para a polícia.

Espalhe a notícia sobre sua bicicleta roubada ao longo de suas redes sociais, bem como a de amigos. Ciclistas costumam ser muito “parceiros”, principalmente nestas horas! Poste uma foto bem nítida de sua bicicleta no Facebook e no Twitter e peça para que  seus amigos compartilhem. Quanto “mais olhos” você  tiver nas ruas à procura de sua bicicleta, maiores são as chances de encontrá-la!

Esperamos que este seja um post preventivo, e que você nunca necessite de utilizar as dicas que demos aqui…

Já anotou o número de série de sua bicicleta e registrou? Não? Então vai lá!!!


Postado em 9 de maio por gugamachado

Tags:, , , ,

As ciclovias são só para bicicletas?

Há alguns anos,  a Prefeitura Municipal de São Paulo liberou o transito nas ciclovias para pessoas em cadeiras de rodas, patinadores e skatistas, e, é obvio, esta foi uma decisão polêmica na época.

Mas hoje temos uma polêmica muito maior: a verdadeira invasão dos patinetes elétricos, em especial os de uso compartilhado.

Aqui no EVDB nós acreditamos no compartilhamento e apoiamos esta medida até os dias de hoje! Porém temos observado alguns “abusos” por assim dizer, em especial na velocidade e no local onde estes patinetes são “deixados”, muitas vezes atrapalhando a circulação dos outros modais.

Outra coisa importante a se dizer é que tanto os patinetes quanto as bicicletas elétricas devem ter sua velocidade e potência limitadas em 25 km/h e 350 watts. E não devem contar com acelerador. Em relação aos patinetes a coisa ainda está meio “nebulosa”.

Assim, achamos urgente a necessidade do diálogo sério e comprometido entre todos os modais e o poder  público para evitar maiores problemas, que, pela nossa experiência de uso estão na eminência de acontecer!

Em tempo, o decreto é este aqui!

Se tiver mais dúvidas acerca das ciclovias de São Paulo, a CET mantém uma página com dúvidas frequentes aqui.


Postado em 25 de abril por gugamachado

Tags:,

Dicas de comportamento e sinalização para quem anda de bike no trânsito

Placa Bicicleta

Depois que você resolveu usar a bicicleta como meio de transporte, comprou os equipamentos necessários, chega a hora de colocar a bike na rua. E é quando você começa a pedalar entre os carros que dá aquele frio na barriga. Mas fique tranquilo! Seguindo algumas orientações básicas de postura no trânsito, sua pedalada será muito segura para você e para os outros.

Primeiramente, respeite sempre as leis de trânsito, que valem tanto para um carro, um ônibus ou uma bicicleta. Pare no farol vermelho, respeite a faixa de pedestre, dê a preferência quando necessário em um cruzamento…

Ciclistas e pedestres

Na calçada, o ciclista vira pedestre e deve empurrar a bike

Além disso, tome sempre cuidado com cuidado com cachorros, crianças brincando e idosos cruzando a rua. Se for usar a calçada, “vire pedestre”, desça e empurre a bicicleta até voltar para a rua. Lembre-se sempre: ser gentil e educado é sempre a melhor postura.

Na rua, pedale sempre do lado direito da via, sem andar em “ziguezague”, a cerca de um metro dos obstáculos. Se você “colar” no meio fio, os carros podem passar muito perto e você pode cair só com o susto! Por lei, os automóveis são obrigados a ultrapassar qualquer bicicleta a pelo menos 1,5 metro de distância lateral. Na prática, como sabemos, isso quase nunca acontece, seja por ignorância da lei ou por ignorância pura do condutor.

Ao pedalar perto do meio fio, tome cuidado com as portas de carros que se abrem e também com buracos, bueiros e valetas. Se um carro estacionar mais à frente, reduza a velocidade e fique atento para a hora em que o motorista vai abrir a porta. O risco maior de levar uma “portada” não é nem o choque em si, mas você cair na rua e ser atropelado.

Apesar de parecer mais seguro, nunca pedale na contramão. Se você estiver a 20 km/h e um carro na direção contrária a 50 km/h, a velocidade de aproximação será de 70 km/h. Em caso de colisão, o estrago é bem maior! E o tempo para desviar, menor. Além disso, o pedestre que cruza a rua e o motorista que dobra a esquina só olham para o lado de onde vêm os automóveis. Andar pela contramão é um dos grandes causadores de acidentes, e também denigre a imagem do uso da bike na cidade.

Comunicação por sinais

Assim como os carros, que precisam sinalizar com o “pisca” sempre que vão virar para algum lado ou acender a luz de freio na hora de brecar, os ciclistas também devem se “comunicar” de forma não-verbal com os outros ocupantes da via para evitar acidentes.

Sinalize com antecedência sempre que você for mudar sua rota ou realizar alguma manobra diferente.

Se for virar a direita, por exemplo, estique o braço nesta direção e aponte para baixo. Não faça movimentos bruscos: nunca entre em uma rua sem olhar, nem mude de pista sem avisar. Para virar a esquerda no cruzamento, peça passagem e vá mudando de pista, caso você seja experiente. Do contrário, desça da bike e atravesse na faixa, como pedestre.

Se você planeja seguir em frente e muitos automóveis forem virar a direita, faça um sinal para a frente com a mão esquerda, que facilita a visão do motorista. Se houver muitos carros, o ideal é encostar no meio fio e esperar os carros passarem para continuar.

Quando você perceber que um veículo que vem atrás de você quer dobrar uma esquina, tenha certeza de que o motorista esteja vendo sua posição. Faça um sinal para ele e, se precisar, dê um grito “Olha a bike!”. Mas não fique olhando para trás o tempo todo. Colisão por trás do ciclista corresponde a menos de 1% dos acidentes.

Seguindo essas dicas, você será mais visto e respeitado por motoristas e pedestres, um importante passo para uma pedalada segura e saudável.


Postado em 11 de abril por Eu Vou de Bike

Tags:, , ,

Veja dicas para sair do sedentarismo

Os grandes centros urbanos, com a sua automatização progressiva, fazem com que o estilo de vida do ser humano seja direcionado para diminuir a realização de atividades que envolvam um aumento do gasto energético, pois as inovações tecnológicas são cada vez mais voltadas para facilitar a vida do indivíduo.

Porém, a consequência desta comodidade é que, com a diminuição do gasto calórico, aparecem doenças relacionadas ao sedentarismo tais como o diabetes, a hipertensão arterial, a depressão, a obesidade, o câncer, o infarto agudo, a osteoporose e as doenças pulmonares.

Podemos definir como sedentária a pessoa que anda ou se exercita pouco, ou seja, inativa. Sedentarismo é a queima de menos de 2.200 calorias por semana em atividades físicas ou a ausência de prática de atividade física leve por menos de 30 minutos diariamente.

Existem outros fatores significantes que favorecem esta escolha do individuo em não se exercitar regularmente tais como: a falta de segurança urbana, que acaba sendo um obstáculo para quem pretende fazer atividades físicas, a redução de alimentos preparados em casa em detrimentos aos industrializados, o aumento do consumo de refrigerantes e bebidas alcoólicas, a redução do gasto de energia no trabalho e a utilização cada vez maior de automóveis.

O exercício físico atua diminuindo o estresss emocional, reduzindo a gordura corporal, aumentando a massa muscular e a densidade óssea, melhorando o desempenho do sistema cardiorespiratório e imunológico. Enfim, aprimorando a aptidão física para uma boa qualidade de vida.

Segundo trabalhos científicos recentes, praticar atividades físicas por um período mínimo de 30 minutos diariamente, contínuos ou acumulados, é a dose suficiente para prevenir doenças e melhorar a qualidade de vida. Tornar-se ativo pode ser uma tarefa muito difícil, porém não de todo impossível. As alternativas disponíveis muitas vezes estão ao alcance das pessoas, porém passam despercebidas.

Aumentar o gasto calórico semanal pode se tornar possível simplesmente reagindo aos confortos da vida moderna. Como exemplos disto temos:

- Ao chegar a casa ou no trabalho, se residir em edifícios, descer do elevador 3 a 4 andares antes e subir o restante de escada. Deste modo o metabolismo aumentará e junto com ele o gasto de calorias.

- Utilizar menos o controle remoto para mudar o canal da TV. Isto faz com que haja um gasto de energia ao levantar do sofá ou cadeira para se locomover até o aparelho.

- Estacionar o automóvel intencionalmente num local mais distante do lugar de destino. Desta forma, o fato de caminhar uma maior distância já estimula um maior gasto de calorias.

- Dispensar o uso da escada rolante no shopping center ou em lugares que a possuam, estimulando-se assim o hábito de praticar atividade física.

- Ao utilizar transporte público descer um ponto antes do trabalho e caminhar o restante do percurso.

- Ir trabalhar de bicicleta ou fazer uso regular da mesma como meio de transporte. Se trabalhar próximo ao metrô, verifique se a estação possui bicicletário para empréstimo ou estacionamento para bicicletas. Deste modo, o consumo de calorias do corpo humano aumentará e as doenças relacionadas ao sedentarismo serão prevenidas.

Estas atividades, apesar de parecerem simples, estimulam o aumento do metabolismo corporal.

Com relação ao gasto total de calorias por indivíduo, é necessário saber a idade, peso, altura, sexo, porcentual de massa muscular e tecido adiposo para se determinar com mais propriedade os valores individuais de cada pessoa. Mas o mais importante é se movimentar o suficiente para aumentar o consumo calórico pelo corpo, aumentando assim o metabolismo basal.

Portanto, estas são algumas alternativas que podem compor uma simples mudança de hábitos, podendo ser praticadas em locais abertos, não sendo assim necessária a prática em locais específicos, como academias e parques.

Lembre-se sempre de consultar-se com um médico antes de iniciar qualquer atividade física e procure a orientação de um profissional da área de Educação Física para saber qual é a intensidade mais adequada para você.

Por Luis Gustavo Corrêa Leite
Licenciado em Educação Física, com Pós-Graduação em Biomecânica Aplicada a Atividade Física e Saúde, possuindo 10 anos de experiência na prescrição de atividade física com ênfase nas áreas de Musculação e Personal Trainning para as diferentes faixas etárias da população, atuando em academias, residências e espaços de prática outdoor de atividade física.


Postado em 4 de abril por Eu Vou de Bike

Tags:, , ,

Musculação em casa – Parte 2

Conforme sugestão de nosso leitor Rogério Leite, nós vamos aqui continuar a série sobre musculação em casa, trabalhando outras regiões não trabalhadas em nosso primeiro post.

Lembrando que o objetivo deste post é passar algumas noções de exercícios funcionais que podemos executar sem grandes recursos de equipamentos e que visam ajudar no fortalecimento dos grupos musculares envolvidos em nossa atividade preferida, que é andar de bicicleta.

Exercícios funcionais visam trabalhar a musculatura mais profunda do corpo, obtendo também um benefício para as articulações em geral. Assim, devido a concentração exigida pelo exercício, além da utilização de outros grupos musculares, conseguimos uma perda calórica maior.

Portanto, a função destes exercícios não é a hipertrofia, ou seja, o crescimento muscular, mas sim fortalecer e melhorar o condicionamento das regiões trabalhadas. O ideal é executar 3 séries de 15 a 20 repetições de todos os movimentos apresentados abaixo.

Preferencialmente, todos os exercícios devem ser feitos sob supervisão e/ou acompanhamento de um profissional da área, para evitar qualquer tipo de lesão.

1-) Peitoral

Material:

- pesos/ halteres (facilmente encontrados em lojas e magazines de esporte);

- bola ginástica 65 cm (utilizada comumente no pilates).

Objetivo: condicionamento e fortalecimento da região frontal do peitoral e braços, atuando também na região do CORE (região abdominal e lombar), devido ao exercício funcional executado quando do equilíbrio na bola.

Posição Inicial (P.I.)

vista lateral

vista frontal. Note que ao utilizarmos o apoio a partir da bola, necessariamente devemos manter nosso quadril paralelo ao solo, obtendo uma postura reta, o que fará com que trabalhemos desde a região posterior da coxa, a região do CORE, além do exercício propriamente dito para o peitoral.

Posição Final (P.F.)

 

vista lateral

vista frontal

2-) Peitoral 2

Material:

- elástico de tração/ elástico para exercícios funcionais (facilmente encontrados em lojas e magazines de esporte)

Objetivo: condicionamento e fortalecimento da região frontal do peitoral e braços.

Posição Inicial (P.I.)

vista frontal. Note que uma das pernas fica a dianteira, para um apoio mais eficiente. Note também o elástico localizado na altura do peitoral

vista lateral. Note novamente que o ideal é que o apoio fique na linha da musculatura peitoral. Note também um pé de apoio deslocado para frente (no caso, o direito)

3-) Biceps

Material:

- elástico de tração/ elástico para exercícios funcionais (facilmente encontrados em lojas e magazines de esporte)

Objetivo: condicionamento e fortalecimento da musculatura do braço, em especial do bíceps.

Posição Inicial (P.I.)

vista frontal. Note o elástico duplo e o apoio em um dos pés, que encontra-se deslocado a frente

vista lateral

Posição Final (P.F.)

vista frontal

vista lateral

4-) Bíceps II

Material:

- pesos/ halteres (facilmente encontrados em lojas e magazines de esporte);

- bola ginástica 65 cm (utilizada comumente no pilates).

Objetivo: condicionamento e fortalecimento da região de braços, atuando também na região do CORE (região abdominal e lombar), devido ao exercício funcional executado quando do equilíbrio na bola.

Posição Inicial (P.I.)

vista frontal. note a posição da cabeça/ pescoço, onde o olhar é dirigido para frente e para cima. Novamente, chamamos a atenção p/ a condição abdominal e lombar, onde, apesar deste ser um exercício inicialmente para o bíceps, estas áreas também são trabalhadas.

vista lateral: observe o comentário acima.

Posição Final (P.F.)

vista frontal

vista lateral

5-) Tríceps

Material:

- pesos/ halteres (facilmente encontrados em lojas e magazines de esporte);

- bola ginástica 65 cm (utilizada comumente no pilates).

Objetivo: condicionamento e fortalecimento da região de braços, atuando também na região do CORE (região abdominal e lombar), devido ao exercício funcional executado quando do equilíbrio na bola.

Posição Inicial (P.I.)

vista frontal

vista lateral. Note a posição dos pesos/halteres

Posição Final (P.F.)

vista frontal

vista lateral

6-) Ombro

Material:

- elástico de tração/ elástico para exercícios funcionais (facilmente encontrados em lojas e magazines de esporte)

Objetivo: condicionamento e fortalecimento da região das costas e ombro.

Posição Inicial (P.I.)

vista frontal. Note a necessidade de utilizar um local de apoio ao elástico, para criar um ponto de tensão. Note também que o elástico fica paralelo ao solo

vistal lateral.

Posição Final (P.F.)

vista frontal

vista lateral


“note a variação do exercício”

7-) Costas e Ombro II

Material:

- elástico de tração/ elástico para exercícios funcionais (facilmente encontrados em lojas e magazines de esporte)

Objetivo: condicionamento e fortalecimento da região das costas e ombro.

Posição Inicial (P.I.)

vista frontal. Note o detalhe do elástico simples. Pode-se diminuir o elástico original, que é duplo, visando obter uma tensão menor no exercício. Observe também o apoio do elástico realizado pelos dois pés.

vista lateral

Posição Final (P.F.)

vista frontal

vista lateral


“note as 3 variações do exercício”

8-) Abdomen:

Material:

- bola ginástica 65 cm (utilizada comumente no pilates).

Objetivo: condicionamento e fortalecimento da região abdominal, atuando também na região do CORE (região abdominal e lombar), devido ao exercício funcional executado quando do equilíbrio na bola.

Posição Inicial (P.I.)

vista lateral

vista frontal

Posição Final (P.F.)

vista lateral

vista frontal

Com o decorrer do tempo, os exercícios sem carga acabam se adaptando ao condicionamento da pessoa. A partir deste ponto, o ideal é aumentar as séries e repetições, ou adicionar peso, através de uma caneleira, por exemplo.

 

Esperamos que com este post você possa fortalecer sua musculatura e com isso tornar seus passeios mais prazeirosos e menos cansativos!

 

Agradecemos a academia “Força Vital” e ao professor Fábio Roberto Porazza Cibella ( CREF 082664-G/SP, tel. 7825-5238).


Postado em 21 de março por Eu Vou de Bike

Tags:, , , ,

Musculação em casa

O objetivo deste post é passar algumas noções de exercícios que podemos executar sem grandes recursos de equipamentos e que visam ajudar no fortalecimento dos grupos musculares envolvidos em nossa atividade preferida, que é andar de bicicleta.

A função destes exercícios não é a hipertrofia, ou seja, o crescimento muscular, mas sim fortalecer e melhorar o condicionamento das regiões trabalhadas. O ideal é executar 3 séries de 15 a 20 repetições de todos os movimentos apresentados abaixo.

Preferencialmente, todos os exercícios devem ser feitos sob supervisão e/ou acompanhamento de um profissional da área, para evitar qualquer tipo de lesão.

1-) Agachamento

Material:
- cabo de vassoura;
- cadeira ou banco.

Objetivo: condicionamento e fortalecimento da região frontal e posterior da coxa, glúteos e região lombar.

Posição Inicial:

obs.: observe os braços semi-flexionados em relação a barra e os pés paralelos ao quadril.

Posição Final:

obs.: projete o quadril para trás, evitando que os joelhos ultrapassem a linha imaginária formada pela ponta dos pés.

Variação do Agachamento:

Você pode realizar este exercício sem a utilização do apoio, somente realizando o movimento de descida/ subida

Posição Inicial:

obs.: tanto faz se iniciar o movimento sentado e subir, ou em pé e descendo.

Posição Final:

Veja no vídeo:

2-) Flexão de Joelho

Material:
- cabo de vassoura

Objetivo: fortalecimento da parte posterior de coxa

Posição Inicial:

Veja no vídeo:

3-) Stiff

Material:
- cabo de vassoura

Objetivo: fortalecimento da parte posterior de coxa, região de glúteos e lombar

Posição Inicial:

Veja no video:

4-) Extensão de Joelho

Material:
- cadeira ou banco.

Objetivo: fortalecimento da parte frontal da coxa.

Posição Inicial:

Posição Final:

obs.: realizar o movimento com ambas as pernas

Assista no vídeo:

5-) Adução

Material:
- colchonete (opcional).

Objetivo: fortalecimento da parte interna da coxa.

Posição Inicial:

obs.: realizar o movimento com ambas as pernas. Observe a ponta dos pés voltada p/ a pessoa e o joelho semi-flexionado.

Posição Final:

Assista ao vídeo:

6-) Abdução

Material:
- colchonete (opcional).

Objetivo: fortalecimento da parte externa da coxa e região de glúteos

Posição Inicial:

obs.: realizar o movimento com ambas as pernas. Observe a ponta dos pés voltada p/ a pessoa e o joelho semi-flexionado.

Posição Final:

Assista ao vídeo:

7-) Panturrilha

Material:
- escada (ou algum tipo de degrau).

Objetivo: fortalecimento da panturrilha.

Posição Inicial:

Posição Final:

Veja no vídeo:

8-) Tibial

Material:
- escada (ou algum tipo de degrau).

Objetivo: fortalecimento da musculatura tibial.

Posição Inicial:

Posição Final:

obs.: note a posição de elevação final dos pés. Aqui também adicionamos o uso de uma caneleira localizada nos pés, para acréscimo de peso, melhorando a eficácia do exercício.

Veja no vídeo:

9-) Glúteos:

Material:

- banco (ou alguma elevação)
- escada (ou algum tipo de degrau).

Objetivo: fortalecimento da musculatura da região de glúteos.

Posição Inicial:

Posição Final:

obs.: realizar este movimento em ambas as pernas.

Veja no vídeo:

Com o decorrer do tempo, os exercícios sem carga acabam se adaptando ao condicionamento da pessoa. A partir deste ponto, o ideal é aumentar as séries e repetições, ou adicionar peso, através de uma caneleira, por exemplo, conforme a foto do último movimento.

Esperamos que com este post você possa fortalecer sua musculatura e com isso tornar seus passeios mais prazeirosos e menos cansativos!

Agradecemos ao professor Fábio Roberto Porazza Cibella ( CREF 082664-G/SP).


Postado em 14 de março por gugamachado

Tags:, ,

Audax eleita a melhor bicicleta produzida no Brasil!!!


Postado em 7 de março por Eu Vou de Bike

Tags:, , ,

Alongando para pedalar

O alongamento no ciclismo, assim como em outras atividades físicas, é algo extremamente importante, apesar da recente polêmica que desautoriza esta prática. Na verdade, o que os pesquisadores entenderam é que é melhor não alongar do que alongar errado e correr o risco de uma lesão.

Nosso intuito então é fornecer algumas informações básicas sobre esta prática, principalmente para quem vai usar a bicicleta como meio de transporte e/ou passear. Portanto, se sua finalidade é esportiva, existem outros procedimentos mais adequados a você.

O ideal é alongar antes e depois do exercício, por um período de até 15 segundos por movimento.

Boas esticadas!

Alongando a Panturrilha ( a “batata da perna”)

Posição Inicial (PI)

Posição Final (PF)


obs: note que a diferença da P.I. p/ a P/F. é o calcanhar encostado no chão. Lembre-se também de alongar as duas pernas.

Alongando o quadríceps

1-) Parte Anterior:

Neste alongamento, a posição inicial (PI) é igual à posição final (PF).

obs: fazer o movimento com as duas pernas.

2-) Parte Posterior:

Neste alongamento, a posição inicial (PI) é igual à posição final (PF).

obs: fazer o movimento com as duas pernas.

3-) Parte Interna:

Num movimento único, direcione seus joelhos para baixo.

4-) Parte Externa:


obs.: traga seu joelho o mais próximo do peito, e não se esqueça de fazer o movimento com ambas as pernas.

Alongando a Lombar (região das costas)

Posição Inicial (PI) : mantenha seus pés afastados, na linha do ombro.

Posição Final (PF): com os joelhos semi-flexionados, curve-se em direção aos pés. As mãos não precisam necessariamente tocar os pés, pois a amplitude do movimento é individual, ou seja, cada um alonga o quanto puder. A idéia é que com o tempo, esta amplitude vá aumentando, até conseguirmos tocar nossos pés.

Detalhe dos joelhos semi-flexionados.

Alongando os Ombros

Posição Inicial (PI)

Posição Final (PF)


Aproxime seu braço de seu peito. Lembre-se de executar o movimento com os dois braços!

Alongando o Tríceps

P.I.: palma da mão posicionada nas costas.

P.F. : puxar o cotovelo com a mão. Lembre-se de alongar os dois braços.

Alongando o Bíceps

Neste alongamento, a posição inicial é a mesma da posição final. Lembre-se de alongar também o polegar.

Alongando o Peitoral

P.I.:

P.F. : após adotar a posição inicial (P.I.), gire seu tronco.

Note que você pode realizar estes alongamentos em qualquer local, independente de qualquer equipamento.

Agradecemos ao professor Glauco Godoi (CREF 071.447) pelas informações.


Postado em 28 de fevereiro por gugamachado

Tags:, , ,

9 Perguntas que você DEVE Fazer antes de comprar sua primeira bicicleta!

Otimize sua compra de bicicleta com estas perguntas simples. E lembre-se: se o vendedor se incomodar em respondê-las, é sinal que sua compra deve ser realizada em outra loja!

Eu sei realmente qual a utilização que vou fazer desta bike?

Esta é uma pergunta que você deve fazer a si mesmo, e não ao vendedor! Emily Bremer, gerente de marketing feminino da Trek Bikes, salienta que esta é provavelmente a coisa mais importante a resolver antes de começar sua pesquisa. “Pense no que você quer versus o que você precisa”, diz ela, acrescentando que os dois podem ser muito diferentes! Você definitivamente não precisa de rodas de carbono para participar no passeio do grupo recreativo local, mesmo se você quiser tê-las! Mais importante ainda, pense sobre  o uso que irá fazer da bike na maioria dos seus rolês, e também qual o tipo de caminho que você tem a sua disposição na maior parte do tempo: ruas da cidade, trilhas, estradas, e por aí vai…Não adianta nada comprar uma “mountain bike” top de linha se na maior parte do tempo você vai pedalar na cidade. Hoje em dia existem bikes bem adaptadas ao ciclismo urbano (híbridas, urbanas), que vão dar “conta do recado” muito mais eficientemente do que uma bicicleta de trilha!

Eu ainda preciso comprar uma bicicleta em uma loja especializada de bicicletas (bike shop)?

Você pode comprar qualquer coisa na internet nos dias de hoje! Inclusive sua nova bicicleta! Mas só porque você pode não significa que você deve…Quando você compra uma bicicleta a partir de um revendedor autorizado, você sabe que a bike foi montada e testada por um mecânico profissional, além do que você também começa a construir um relacionamento com a loja, o que é sempre uma ótima maneira de descobrir sobre novas rotas ou passeios em grupo, ou mesmo aulas de manutenção e eventos ligados a bicicleta! Ao comprar numa bike shop, você também garante que você não está adquirindo um produto falsificado, que infelizmente é um problema comum no mercado de bicicletas.  A compra em uma loja especializada ainda pode ter mais benefícios, como a assistência inicial personalizada e dentro da garantia, coisa que você não tem ao comprar a bike num supermercado, ou mesmo uma bicicleta usada.

Posso pedir um desconto?
“Você sempre pode pedir”, diz Bremer, mas as margens em bicicletas são tão  anêmicas que você deve estar preparado para algo mínimo. No entanto, ela diz que as lojas estão muitas vezes dispostas a dar bons descontos em acessórios, especialmente quando comprados em conjunto com uma bicicleta.

Posso fazer um “test-drive” ?
“Definitivamente fazer um passeio de teste vai validar a recomendação de um vendedor confiável”, diz Bremer. Na verdade, se uma loja de bicicletas não deixar você dar uma volta rápida para um teste, inclusive te acompanhando no percurso, você provavelmente deve comprar em outro lugar. “Certifique-se que neste rolê sejam demonstradas as características principais da bike, principalmente as mudanças de marchas e freios”, diz Bremer.

Como posso saber se uma bicicleta se encaixa comigo?
É tarefa quase impossível avaliar uma bicicleta num passeio de teste de 10 minutos! Então você terá que contar com a sua intuição, e principalmente confiar na indicação do vendedor (aqui o ideal é que este seja indicado por algum conhecido seu). “Basicamente, você não deve ficar super-estendido tentando alcançar o guidão”, diz Bremer. Se estiver inseguro sobre esta distância, peça para testar a mesma bicicleta  no próximo tamanho para cima e para baixo (P.ex. se estiver testando uma bike com o tamanho M, peça uma P e depois teste também uma G). Certamente esta  comparação vai tornar mais clara em qual delas você se encaixa melhor.
Você provavelmente vai acabar gastando horas em sua bicicleta, então você deve se sentir confortável ao pedalar! Nada deve ser estranho, a não ser o desconforto inicial do selim, que só desaparece com o tempo. “A maioria dos selins (bancos da bike) são um pouco desconfortáveis no início, especialmente se faz tempo que você não pedala”, diz Bremer. Uma última pergunta que vale a pena ser feita é se sua a loja te ajudará no sentido de um “bike fit”, que é uma adequação da bike ao seu biotipo. A maioria das lojas tem este serviço incluso em algumas categorias de venda, onde inclusive substituem peças de sua bicicleta nova para adequá-la melhor a sua pedalada!

Eu tenho que comprar uma bicicleta específica com relação a gênero (masculino/feminino)? Qual é a diferença?
Não, definitivamente não. Porém vale muito a pena aprender sobre elas, e se houver oportunidade, comprar uma bicicleta mais orientada ao seu gênero. Nossa recomendação inicial de não priorizar a compra de um equipamento específico é para que isto não seja um impeditivo para você comprar sua primeira bike, uma vez que comprar uma bicicleta por gênero pode agregar mais custo. “O que faz de uma bicicleta ser específica para mulheres varia de marca para marca”, diz Bremer. Algumas marcas usam diferentes espessuras de carbono em todo o quadro para fazer bikes mais leves, enquanto outras, além de utilizar um grafismo mais feminino,  oferecem características tais como apresentar uma geometria com um alcance mais curto para o guidão, guidões mais estreitos, e selins específicos femininos. “Existem muitas vantagens nesta política, mas lembro que a geometria das bicicletas femininas também não se aplicam a todas as mulheres”, diz Bremer.

Além disso, os produtos específicos para mulheres `as vezes funcionam melhor para os homens. “É muito raro, mas acontece”, diz Bremer. Então, se o vendedor sugerir a você testar uma bike que não seja do seu gênero,  não se ofenda! Ele só quer ter certeza de que você está testando as melhores possibilidades.

Quantas bicicletas devo testar?

Steve Beheler, lojista americano,  diz que você deve testar, pelo menos, duas ou três bicicletas. Porém evite fazer um teste muito longo com a bike. “Se alguém pedalar  10 bicicletas, vai ficar mais confuso do que qualquer outra coisa”, diz ela.

Posso pedir para loja de bicicletas para instalar um “descanso lateral”? E como ficam os acessórios que eu comprei on-line?
“Se a sua bike tiver local apropriado para instalação do “descanso” (pezinho), nós  vamos instalá-lo, bem como  qualquer outro acessório que você desejar”, diz Beheler.. Enquanto a maioria das bicicletas híbridas e urbanas possuem este “nicho” para instalação, nos modelos de estrada e de montanha geralmente esta história é diferente. Neste caso, pergunte ao seu mecânico qual a melhor maneira de “estacionar” sua bike. Quanto aos acessórios comprados “online”, a maioria das lojas vai instalá-los sem problema, mas certamente cobrarão uma taxa pelo serviço. Se a própria bicicleta for comprada online, ou mesmo você adquirir uma bike usada, a maioria das lojas irá fazer a montagem, os ajustes e “bike fit” sem nenhum problema. Porém, novamente, cobrarão uma taxa por este serviço.

Bicicletas vêem com alguma garantia ou mesmo um plano de manutenção incluído?

Isto varia. Todas as bicicletas novas vêem com a garantia determinada pela lei do consumidor. Em alguns casos, este período pode até ser maior, como é o caso de alguns fabricantes cujos quadros possuem garantia vitalícia. Porém ao comprar sua bicicleta você deve pensar que este será o início de um longo (e, esperamos feliz) relacionamento com sua loja de bicicletas local. Isto significa que provavelmente você vai levar a sua bicicleta algumas vezes por ano para manutenção e reparos.

Algumas lojas incluem um nível de serviço de manutenção relacionado com a compra de uma bicicleta; assim, você deve perguntar sobre a política da sua loja no momento da compra. Você também deve saber o que a garantia do fabricante cobre. Muitas vezes, os quadros são cobertos “sob uso normal” que não inclui danos causados por “mau uso”. Por fim, como aqui no Brasil uma boa parte das bicicletas são importadas, você deve perguntar na sua loja se ela vai auxiliá-lo na eventual necessidade de uso da garantia junto ao importador. Isto é importantíssimo e pode lhe poupar uma enorme dor de cabeça no caso de algum problema com o equipamento.


Postado em 21 de fevereiro por Eu Vou de Bike

Tags:, , , ,

Escolha e use corretamente o capacete

Apesar de não ser um acessório obrigatório, o uso de capacete como equipamento de proteção individual é muito importante para garantir a segurança do ciclista na hora de quedas. Como geralmente as bicicletas estão associadas a sensação de liberdade e prazer, muitas vezes o uso de capacete dá a falsa impressão da privação de experimentar estas sensações.

Porém a escolha e utilização correta deste acessório pode ser suficiente para salvar sua vida, sem tirar o prazer da pedalada!

Tendo suas primeiras utilizações pelos ciclistas registradas no início do século 19, o capacete como conhecemos hoje surgiu somente por volta da década de 70, quando a fabricante Bell Helmet Company criou o primeiro capacete em poliestileno expandido (EPS), bem mais leve e resistente do que os materiais que o antecederam, em especial o isopor.

No Brasil, esta tecnologia só chegou uma década depois, principalmente com a introdução do Mountain Bike e a abertura das importações.

Atualmente, com o avanço cada vez maior da tecnologia e dos materiais, e com a grande especialização que o ciclismo experimentou, temos uma variedade enorme de preços, utilizações e estilos. Logicamente, isto também aumentou em muito a dificuldade de selecionar um modelo mais adequado para utilização.

Como sempre, necessitamos realizar algumas reflexões e responder algumas perguntas iniciais para que possamos melhor efetuar nossa compra, a saber:

1-) Qual a modalidade de ciclismo eu vou praticar?

Basicamente, temos 3 tipos de capacetes: os totalmente fechados (“full face”), os abertos, que podem ter uma “pala” dianteira ou não, e os aerodinâmicos, além dos infantis.

Normalmente, os do tipo “full face” são utilizados para as modalidades mais “radicais”, tipo o “downhill” ou o “free style”. Os abertos com a pala dianteira são utilizados pelo pessoal do Mountain Bike ou ciclismo urbano e recreacional em geral, e são os mais comuns de se encontrar. E os abertos sem pala são os preferidos do pessoal do “speed”, a turma da estrada. Os aerodinâmicos são utilizados pelos praticantes de triatlo e contra-relógio, onde cada esforço para reduzir o arrasto do ar é bem vindo. E atualmente com o crescimento das intervenções radicais de bike nas cidades, também conhecidas por “urban assault”, é comum vermos ciclistas utilizando capacetes “importados” dos skatistas, que costumam cobrir mais a região da nuca, e dar mais “estilo” ao usuário.

2-) Qual o meu orçamento disponível?

Tenha em mente que quanto mais leve, resistente e arejado for o capacete, mais caro ele será. Se possível, pesquise bastante na net sobre os materiais e tendências para os capacetes atuais. Para termos uma idéia, existem capacetes que possuem uma trama interna de fibra de carbono, tornando-os muito mais leves e seguros. Quanto mais entradas de ar ele tiver, maior será a ventilação, e logo maior o conforto no uso. Porém, tais capacetes de alta performance só vão se justificar em uma competição. Se este não for seu caso, mas seu orçamento permitir, compre o melhor capacete que seu dinheiro possa adquirir. Em caso de um acidente, certamente os prejuízos serão bem maiores que o valor do capacete!

3) Onde comprar o capacete?

Procure uma bike shop que tenha muitos modelos e marcas disponíveis, pois muitas vezes o modelo P (pequeno) de um capacete pode ser maior ou menor que o de outra marca. Experimente todos os capacetes disponíveis no seu tamanho, até encontrar o que te “vista” melhor, em termos de conforto e adaptação. Procure vestir e ficar com o capacete por alguns minutos, pois os inconvenientes nunca aparecem logo que vestimos o capacete. O capacete nunca deve ficar frouxo ou com folga e nem demasiadamente apertado.

Abaixo, acompanhe algumas dicas de como escolher e utilizar corretamente seu capacete:

Acima um exemplo de dois modelos semelhantes de capacete, do mesmo tamanho (P), mas visivelmente com dimensões bem diferentes, pois são de marcas diferentes. Experimente todos os modelos disponíveis: o ideal é que ele encoste uniformemente em toda a sua cabeça.

Invista o tempo que for necessário na seleção do seu capacete. Observe o interior do capacete e veja se todo o sistema de fixação está solto, pronto para a colocação.

Vista o capacete. Posição correta do capacete. O capacete deve ficar de um a dois dedos de distância acima das suas sombrancelhas. E quando olhar para cima, se o seu capacete tiver pala, a borda desta não deve ficar muito visível.

O capacete deve ser colocado o mais baixo possível, para aumentar a cobertura lateral. Assim ele ficará bem encaixado e não balançará se houver um tombo. Observe também que as cintas laterais devem ficar em forma de um “Y”, com o vértice abaixo da orelha. O ideal é termos uma segunda pessoa para nos ajudar nos ajustes das cintas. Com relação ao tamanho da cinta do fecho, a medida ideal é abrir a boca e sentir uma pequena puxada do capacete contra a cabeça, a qual deve ser bem suave. A cinta ainda deve estar posicionada atrás do seu queixo, e não no próprio queixo.

Atualmente, vários modelos de capacetes possuem sistemas de estabilização, que promovem um ajuste fino evitando assim que o capacete fique “sambando” enquanto você passa por irregularidades, por exemplo. É importante observar que ele só funcionará bem se todas as outras cintas estiverem bem ajustadas, com suas regulagens ideais, conforme exposto acima.

Acompanhe abaixo exemplo de um capacete incorretamente selecionado (tamanho maior do que o requerido). Note que mesmo com o ajuste fino, ele ainda balança.

Quando o conjunto todo estiver ajustado, você deve chacoalhá-lo, tentando derrubá-lo para frente e para trás com movimentos bruscos. Se o capacete se mover mais do que um dedo, ou o tamanho dele não é o adequado, ou as cintas devem ser melhor ajustadas.

Outra coisa muito importante é que após uma eventual queda, troque seu capacete, mesmo que este não apresente dano ou avaria visível. Devido ao projeto, sua estrutura se deforma propositalmente para absorver os impactos, daí a necessidade de substituí-lo.

Por isso, nunca compre um capacete usado, e sempre veja se o seu está no prazo de validade, que normalmente vem gravado no interior do capacete.

Atualmente também os grafismos são bem atraentes, sendo inclusive especializados para o público infantil, infanto-juvenil e feminino, tornando o uso do mesmo mais lúdico!

Esperamos com isto colaborar para que o uso do capacete se torne algo tão natural quanto pedalar!



Anterior Próxima