Houston na web Youtube Flickr RSS

Blog Vou de Bike

Postado em 17 de agosto por gugamachado

Tags:, , , , , ,

Filmando o Rolê (parte 4)

Neste post daremos algumas dicas de ajustes básicos para que sua filmagem fique com uma cara profissional!

- Procure selecionar a resolução que vai captar compatível com seu equipamento de edição. Como já dissemos anteriormente, uma resolução muito alta gera arquivos muito grandes e difíceis de serem processados. Tudo depende do seu objetivo final. Se o filme for utilizado profissionalmente, justifica-se utilizar o máximo de resolução disponível. Se for o caso de utilizá-lo somente para a web, não precisamos de uma resolução tão grande assim. Ainda tem a questão da “câmera lenta”, que vai muito bem quando estamos filmando tomadas que tenham muitas “manobras”. Neste caso, existe uma resolução específica para isto (FULL HD/120p ou HD/240p). Em nossa experiência, temos utilizado a resolução FULL HD 1920 x 1080, com 60 fps. Ela é satisfatória para utilizá-la em broadcast (qualidade profissional) e pode ser reduzida na edição para gerar um arquivo menor para web. Note que nossa Sony filma em até 4 K (resolução ultra HD) !!!! Posteriormente traremos alguns filmes para ilustrar de maneira prática estas diferenças.

- Se sua câmera tiver algum recurso de estabilização de imagem, o ideal é ativá-lo. No caso da nossa, este recurso chama-se “Stead Shot” e faz uma grande diferença, comprometendo muito pouco da imagem final. Mas utilize o recurso principalmente se for andar por locais acidentados.

- O ideal também é ativar o recurso de “filtro de ruído”, do tipo “wind noise reduction”. Normalmente o barulho do vento é bem intenso e pode comprometer o resultado final.

- Ainda se sua camera tiver uma “case” plástica de proteção, o ideal é utilizá-la, pois em caso de um tombo ou de poeira ela irá proteger seu equipamento. Note que este estojo pode comprometer a captação de som ambiente, e principalmente alguma eventual narração. Neste caso, o ideal é realizar a narração “em off”, na edição a ser feita posteriormente.

- Quando estiver pedalando, para dar mais “dinâmica” a sua filmagem, é legal ter sempre um “parceiro” no pedal, de modo que um possa filmar o outro, não ficando apenas com uma imagem de “primeira pessoa”. Você pode montar sua câmera no canote do selim por exemplo, e filmar seu parceiro atrás de você. Depois pode mudar a câmera para o guidão da bike dele, pedindo para que ele pedale atrás de você, captando assim uma imagem posterior da sua bike.  Daí é só misturar estes ângulos todos na edição final. Com esta variação de captação, seu filme fica bem mais dinâmico e interessante de ser visto!

- No caso da nossa Sony, tem um recurso bem legal que é a geolocalização nativa via GPS na câmera. A partir destes dados, ela dispõe um arquivo próprio que registra o percurso, bem como a velocidade da bike, disponibilizando tudo na edição final, através de um software proprietário. Veja no print abaixo!

 

 

E aí? Animado para ser o “Spielberg” das duas rodas????

Se você não viu ainda, as outras partes desta matéria estão aqui, aqui e aqui.


Postado em 3 de agosto por gugamachado

Tags:, , , ,

Filmando o Rolê (parte 3)

Continuando nossa série de posts sobre filmagem na bicicleta, agora seremos mais específicos, numa espécie de “passo-a-passo.”

Antes de filmar o rolê, verifique:

- se a carga da bateria da camera está completa. Infelizmente, baterias ainda são os pontos fracos de nossos queridos “gadgets”, muitas vezes deixando a gente na mão…Então o ideal é iniciar o rolê com a maior carga possível, levando inclusive uma bateria auxiliar. Em nossa experiência com a Sony, a duração média da bateria tem sido de quase 2 horas, bastante aceitável para a proposta!

 

- se o seu cartão de memória está “livre”. Video é o tipo de arquivo que consome bastante memória. E dependendo da resolução a ser utilizada (falaremos sobre isto em outro post), o arquivo é enorme! Então procure ter um cartão com o máximo de capacidade que você possa comprar, e principalmente, verifique se ele está vazio, ou seja, sem nenhum arquivo previamente gravado e “esquecido” por lá! Isto de ir gravando sem apagar conteúdos que já utilizamos é uma prática mais comum do que imaginamos….
- conheça as lentes de sua camera! Normalmente, as cameras de “ação” possuem lentes do tipo “fish eye”, que são lentes grande angulares, porém com um pouco de distorção nas bordas. Elas costumam pegar tudo que está num angulo de 170 graus. Daí a necessidade manter o objeto do seu filme sempre no centro da lente! Em alguns modelos, como é o caso da nossa Sony, é possível regular este angulo, reduzindo para 120 graus. Com isto, você diminui  seu campo de captação de imagem, porém diminui também a distorção nas laterais da filmagem bem como a sensação de “movimentos rápidos e bruscos” que este tipo de captação de imagem normalmente fornece!

 

- qual será seu “angulo de captação” de imagens. Isto é muito importante para que depois sua filmagem fique atrativa. Aliás, este é um dos pontos mais complexos quando se filma a partir de primeira pessoa, principalmente na bicicleta. A idéia é que nós possamos passar a sensação para nossa audiência de estar “andando” conosco. Por isto o enquadramento é tão importante, para que a imagem não fique “baixa demais” e só filme o chão, e nem “alta demais”, filmando só o céu… Normalmente as “action cams” não possuem displays como as cameras comuns, para economizar em peso e espaço.Assim, para resolver este problema, o ideal é fazer um monitoramento prévio do enquadramento, ou seja, posicione sua camera da maneira que achar conveniente, filme um pequeno trecho na condição exata que fará o rolê, e assista o resultado, fazendo as correções necessárias. Nas cameras mais atuais, temos o recurso de sincronia via Wi-Fi com smartphones, que fazem com que este se transforme em um monitor para nossa camera, facilitando muito o posicionamento desta, bem como até possibilitando algumas regulagens do menu da camera! No caso da nossa Sony, além de ter este recurso, ela conta também, como acessório opcional, com um “controle remoto” com tela (veja na foto que ilustra este post), que sincroniza perfeitamente com a camera, e que fica posicionado em nosso pulso, como um relógio, permitindo assim a verificação e ajuste constante do que estamos filmando, além do acionamento da mesma, facilitando muito a operação! Mais para frente faremos um tópico exclusivo sobre este tema de posicionamento da camera.

 

- qual resolução irá utilizar. Este também é um tema complexo que merecerá um capítulo exclusivo! Mas, basicamente, quanto maior a resolução (Full HD, por exemplo, que são 1.920 por 1.080 linhas, fornecendo uma imagem com mais de 2.000.000 de pixels, sendo atualmente presente em 70% dos televisores vendidos no Brasil), maior será a qualidade do arquivo, porém ocupando mais espaço no seu cartão de memória. Um arquivo muito grande também dificulta a edição posterior de imagens, e certamente terá que ser “convertido e reduzido” quando você for publicar seu video online. Muitas cameras também permitem o ajuste de “quadros por segundo” (trataremos posteriormente com mais profundidade). Por padrão, este ajuste pode ser de 30 FPS (frames por segundo). Porém, quanto mais “frames por segundo”, maior a “fluidez” da imagem.
- qual será o posicionamento de sua camera. Você pode posicioná-la tanto no capacete, quanto no quadro da bike. Em alguns casos, pode posicioná-la inclusive na sua mochila! Novamente aqui, o ideal é testar todas as possibilidades e ver qual mais te agrada! Também faremos um post exclusivo sobre posicionamento de camera, mostrando as possibilidades e os resultados.

E aí, pronto pra filmar seu rolê? Com todas estas medidas, certamente você será a nova atração da família!!!!! Agora é só definir o local, o percurso e disparar sua camera!!!

Você pode ler nossos dois posts anteriores sobre o assunto aqui  e aqui.


Postado em 20 de julho por gugamachado

Tags:, ,

Filmando o Rolê (parte 2)

 

Mostrar ao mundo todo suas habilidades em duas rodas, ou mesmo sua vivência e experiência na bike, através da web, é fácil, divertido e pode ajudar a você e outros ciclistas a expandirem seus limites!

Hoje em dia com a chegada da categoria das “Action Cams”, tudo ficou ainda mais interessante e desafiador, pois é possível fazer um filme de alta qualidade, pronto para “tira qualquer sedentário do sofá”!

Por aqui estamos tendo uma excelente experiência com a Sony FDR – X1000V, e queremos com isto dar algumas  dicas a partir de nosso uso, para que os que ainda não filmam seu rolê, passem a fazer isto com mais frequência!

Em nosso post anterior , tratamos sobre o uso da câmera como equipamento de segurança.

Agora iniciaremos com dicas gerais, que vão abordar aspectos para você utilizar desde a captação até a edição de suas imagens!

Mas lembre-se: tudo o que você necessita é de uma boa câmera, e principalmente de uma mente criativa!

Esteja Preparado!

1- Antes de fazer o seu, assista vários videos na web, para se inspirar sobre seus “takes” (o que vai filmar), bem como seus ângulos de filmagem (no próximo post falaremos melhor sobre o posicionamento da câmera em si);

2- Pense sobre alguns lugares legais que você conhece, bem como alguns “truques” que você faz com sua bike! Anote tudo numa “lista de filmagem”, que depois pode se tornar seu roteiro!

3- Você deve “contar uma estória” com seu video, pensando em início, meio e final! Se for filmar uma trilha, por exemplo, você pode mostrar brevemente como foi seu café da manhã, depois o encontro com a galera, a escolha do “pico”, o início do pedal, alguns tombos (hahahaha, esta é a parte de a galera mais gosta!!!) e o final na padaria ou no bar! Quanto mais criativo, melhor será seu resultado!

4- Tente estabelecer um “tema” para seu filme! Por exemplo: “rolê gastronômico”, mostrando locais que você adora frequentar. Ou se for mais específico, uma técnica de bike. Fazer um filme só com “downhill”, ou só mostrando suas manobras de BMX funciona muito bem!

5- E se você pedala mais de um “estilo”, speed e mountain bike, por exemplo, pode fazer um video misturando um pouco estes dois mundos – isto costuma dar uma boa audiência!

No mais, pense sempre se você mesmo gostaria de assistir ao vídeo que acabou de postar!


Postado em 13 de julho por gugamachado

Tags:, , , ,

Filmando o Rolê (parte 1)

 

Atualmente, a maioria da pessoas carrega no bolso uma camera fotográfica/filmadora com qualidade bem razoável, pronta para ser utilizada em qualquer ocasião!

Porém, quando falamos em filmar nosso rolê de bike, a exigência do equipamento aumenta consideravelmente, uma vez que, dentre outras coisas, uma camera adequada para esta finalidade precisa ser resistente e ter uma certa estabilidade de imagens. Daí caímos na categoria das “action cams”, cujo numero de modelos e fabricantes vem crescendo a cada dia.

Recentemente, a Sony do Brasil gentilmente nos presenteou com uma camera deste tipo, que dentre muitos recursos, filma com a altíssima resolução 4K.

Nossa idéia é fazer uma série de posts com dicas de filmagem e utilização destas cameras em nossa prática diária, quer seja numa aventura, num passeio, ou num deslocamento como transporte!

Começando por este último uso, com o recente aumento da presença das bicicletas nos grandes centros urbanos, em especial na cidade de São Paulo, temos testemunhado também uma certa dificuldade no convívio entre motoristas e ciclistas. Inclusive com xingamentos e com as criminosas “finas educativas”….

E uma maneira de se prevenir ou mesmo de registrar este tipo de conduta é utilizar uma camera ostensivamente presa em nosso capacete ou bicicleta, gravando nosso trajeto todo o tempo, em modo “loop” (mais adiante falaremos sobre isto), como uma verdadeira camera fixa de segurança!

Nestes dias temos feito este tipo de utilização, e, acreditem, ela funciona! Além dos possíveis agressores se sentirem “inibidos” com a possibilidade de serem filmados ao cometerem alguma infração (afinal, esta é, ou ao menos deveria ser, a função dos radares), se realmente formos vitimados, temos a possibilidade de uma defesa mais documentada!

E, em tempos de youtube e redes sociais, podemos até “educar” outros motoristas através destes vídeos! Mostrar como conviver com ciclistas, e principalmente o que não se deve fazer nesta convivência!

Nada melhor do que se colocar na “pele” do outro. Recentemente, uma empresa de ônibus de Recife colocou seus motoristas para pedalarem em bicicletas estáticas, enquanto outros motoristas  de ônibus passavam a 50 cm destes. Veja o resultado deste “experimento” aqui…

 

Então, nossa primeira dica é utilizar uma filmadora em loop recording (gravação em ciclos), que é um modo de filmagem semelhante a das cameras de segurança, onde não precisamos nos preocupar com “descarregar” as imagens para liberar memória, pois quando a camera atinge seu limite, ela inicia a gravação automaticamente do início do cartão. Nosso modelo tem este recurso, que você também encontra em cameras mais simples e mais baratas.

Portanto, ao selecionar seu equipamento, veja se ele tem esta característica!

E como diz o ditado, uma imagem vale mais que mil palavras!

#sonyactioncam

#registreoextremo


Postado em 9 de julho por Eu Vou de Bike

Tags:,

Camisas e pontuação do Tour de France

A 104ª edição do  Tour de France iniciou no dia 1 de julho com uma contra-prova individual em Düsseldorf, na Alemanha, e terminará com a fase dos Champs-Élysées em Paris, em 23 de julho. Um total de 198 pilotos de 22 equipes participam da prova, que este ano tem mais de 3.540 km!

Uma das grandes tradições do Tour de France é a possibilidade de os ciclistas usarem camiseta especiais de acordo com suas conquistas na prova.

Além de ser um motivo de orgulho pessoal, usar uma camisa diferente do resto do grupo também serve para facilitar na identificação dos ciclistas favoritos e/ou que estão nos primeiros lugares da classificação geral.

Veja abaixo uma explicação sobre o significado de cada camisa especial do “Tour de France”:

A camiseta amarela

A camiseta amarela (“maillot jaune”) é atribuída ao primeiro corredor em tempo individual na classificação geral e é a camiseta de maior prestígio no Tour de France. Ela foi criada em 1919, em referência ao papel amarelo do jornal L’Auto.

É atribuída calculando-se o tempo total gasto por cada corredor, isto é, adicionando-se os tempos de cada etapa. O corredor com o menor tempo é considerado o líder no momento, e, ao final do evento, é declarado o vencedor geral do Tour de France.

A camiseta verde

A camiseta verde (“maillot vert”) foi criada em 1953, em comemoração aos 50 anos do primeiro Tour de France, e é atribuída ao primeiro corredor na classificação individual por pontos (sprints). Ao final de cada etapa, ganham-se pontos quando se termina a etapa nos primeiros lugares. O número de pontos depende do tipo de etapa – mais pontos se a etapa for plana, um pouco menos se for intermediária, ainda menos se for de montanha e o mínimo em etapas contra o relógio.

Também atribuem-se uns poucos pontos ao corredor que alcança primeiro certos pontos intermediários, assim como um bônus em segundos para o concurso da camiseta amarela, mas são geralmente tão poucos que não representam muita coisa no resultado final. No entanto, têm um papel preponderante durante a primeira semana, antes das etapas de montanha, quando os corredores estão relativamente próximos na classificação geral.

A camiseta branca com bolas vermelhas

A camiseta branca com bolas vermelhas (“maillot à pois”) é atribuída ao primeiro corredor na classificação em etapas de montanha; no topo de cada montanha do Tour, atribuem-se pontos aos primeiros a chegar no topo.

As subidas são classificadas em categorias de 1 (mais difícil) a 4 (menos difícil) de acordo com seu grau de dificuldade, onde são levados em conta o declive e o comprimento da subida. Uma quinta categoria, chamada categoria especial, é reservada às montanhas ainda mais difíceis que as da primeira categoria.

O primeiro corredor em uma subida de quarta categoria recebe 5 pontos, enquanto o primeiro de uma subida categoria especial recebe 40. Em uma subida de quarta categoria, somente o 2° e o 3° colocados, além do primeiro, ganham pontos. Em uma subida de categoria especial, os 15 primeiros são recompensados.

Apesar de o melhor ciclista em montanha ser distinguido desde 1933, foi somente em 1975 que a camiseta branca com pontos vermelhos foi introduzida para identificá-lo. As cores foram decididas pelo patrocinador da época, Chocolates Poulain, para combinar com um de seus produtos mais populares.

A camiseta branca

A camiseta branca (“maillot blanc”) segue os mesmos critérios da camiseta amarela, mas somente disputada por corredores com idade máxima de 25 anos em 31 de dezembro do ano em questão.

A categoria, criada em 1975, introduzida como forma de reconhecer o desempenho dos ciclistas mais jovens, foi temporariamente extinta em 1998, mas novamente reintroduzida pouco tempo depois. Poucos são os competidores que se podem orgulhar de ter vestido as camisetas amarela e branca no mesmo ano.


Postado em 29 de junho por Eu Vou de Bike

Tags:, , , ,

Dicas para filmar o passeio de bicicleta

Com a popularização das câmeras (e celulares) que gravam vídeos em alta qualidade, os vídeos de pessoas pedalando por aí se multiplicam pela internet. E mesmo se você não for um ciclista ou cinegrafista profissional, é possível gravar vídeos sensacionais!

O site Photojojo publicou um tutorial muito simples para você montar um suporte para câmeras na bicicleta. Este suporte consegue carregar uma câmera simples, daquelas ‘point and shoot’, mas também serve para aparelhos um pouco maiores.

No total, o suporte sai por cerca de R$ 20 e pode ser instalado em menos de 20 minutos! No tutorial, eles usam uma argola feita para segurar a lanterna da bicicleta adaptada para receber um parafuso na largura padrão do espaço encontrado nas câmeras digitais (veja o tutorial completo).


O suporte construído pelo Photojojo fica assim

Veja um vídeo gravado com o suporte:

Outra opção para carregar uma câmera durante a pedalada é o tripé flexível ‘GorillaPod‘, que pode ser adaptado para ficar preso ao guidão da bicicleta. O GorillaPod pode ser encontrado em lojas de fotografia e eletrônicos (e também online).

Veja um exemplo abaixo:

O maior problema dessas duas opções é que o vídeo pode ficar bem tremido, dependendo da firmeza do suporte e da superfície pedalada. Uma solução um pouco mais profissional é a câmera acoplada ao capacete.

Em breve iniciaremos uma série de posts com mais dicas e idéias sobre este assunto, com apoio da Sony, utilizando uma camera da linha “Action Cam” deles! Aguardem as novidades!

E você, tem alguma dica para gravar vídeos enquanto pedala? Compartilhe!


Postado em 22 de junho por Eu Vou de Bike

Tags:, ,

Aprenda a frear corretamente

Quando começamos a andar de bicicleta, uma das coisas que mais fazemos é frear! E, infelizmente, é uma das coisas que mais fazemos da maneira errada.

Frear corretamente e sem desgastar os componentes das bicicleta envolve muitas variáveis! Dentre essas variáveis estão o tipo de freio (“cantilever”, “v-brake”, a disco, entre outros), o tipo e a condição do terreno em que estamos pedalando (asfalto, terra, areia, etc), e o tipo de bicicleta que estamos conduzindo.

Não temos o objetivo de fazer uma discussão técnica sobre qual o tipo de freio é melhor ou mesmo técnicas utilizadas em ambiente competitivo. Nossa ideia é fornecer alguma dicas para que você possa otimizar esta tarefa rotineira e crucial para quem “vai de bike”!

Para obter uma boa frenagem, é necessário estar com os pneus em dia, bons freios (com boas “sapatas” ou bons discos, dependendo do caso), boas rodas e, principalmente, manter o conjunto sempre limpo e bem regulado. O posicionamento errado do conjunto de freios compromete a eficiência de todo o processo, qualquer que seja a qualidade das peças.

O ideal é frear sempre nas retas, para obter a maior tração possível do conjunto. A posição dos manetes dos freios deve estar sempre o mais próximo possível do avanço do guidão, pois o ideal é que nossos dedos estejam nas pontas dos manetes, e não no meio, pois com isto temos mais força de alavanca e, portanto, menos desgaste físico.


Posição ideal dos dedos no manete do freio

Em termos de terreno, o ideal é sempre dar prioridade para frear em terreno mais seco e firme. Ou seja, em dias de chuva ou garoa, devemos diminuir nossa velocidade e sempre procurar antecipar as reações dos outros veículos em nosso entorno. Se estiver pedalando na terra, escolha a parte mais seca do solo, com menos vegetação e umidade. Acredite: isto pode fazer toda a diferença entre “tomar um chão” ou não!

O excesso de frenagem também pode provocar acidentes. Procure olhar sempre para onde se está indo, o mais “para frente” possível. Isto diminuirá a sensação de velocidade pois ao olharmos mais perto de onde estamos, parece que estamos indo “muito rápido” e tendemos a frear mais.

Assim como nos veículos a motor, o ideal é trabalhar com as marchas e com a velocidade, freando o mínimo possível. Com a experiência, percebemos que cada lugar tem a sua velocidade. E, ao trabalharmos desta maneira, poupamos os componentes da bike.

A eficiência dos freios

Somente para referência, um bom conjunto de freios deve ser acionado, em situações normais, somente com um dedo, e nas emergências com dois dedos. Se você tiver que fazer maior esforço que este, provavelmente está com algum problema em seu sistema e o ideal é ir a uma oficina de sua confiança para resolver o problema.

Por incrível que pareça, o freio dianteiro é o mais eficiente para parar a bicicleta. Procuramos sempre trabalhar em média com 65% de apoio no freio dianteiro e 35% no freio traseiro. A importância de trabalhar os dois freios “em conjunto” é muito grande, pois, apesar do freio dianteiro ser o maior responsável por “parar” a bike, o freio traseiro é que fornece a “firmeza” no trajeto e na direção da bicicleta, e que também vai garantir a tração da bike para que o dianteiro possa atuar.

Devemos evitar sempre o travamento das rodas, que quase sempre é seguido por uma derrapagem e uma possível queda. Se precisar frear bruscamente, “trave” a roda traseira, mas nunca a dianteira. E ao fazer isto, procure jogar seu corpo para trás, como se quisesse “puxar” a bike. Aliás, a posição do corpo afeta e muito a bike no momento da frenagem. Quanto mais peso houver sobre a roda traseira, maior será a tração com o solo, fazendo você parar com mais eficiência.

Por exemplo, se estiver descendo um trecho inclinado e precisar frear, saia do selim e movimente seu corpo para trás, fazendo com que todo seu peso se desloque para a roda traseira. Em trechos mais técnicos, principalmente em trilhas, chegamos até a ficar com o corpo atrás do selim, modificando o centro de gravidade da bicicleta. Mas para o uso cotidiano, e principalmente urbano, isto não se faz necessário.

E só para lembrar, o freio dianteiro é sempre do lado esquerdo, do lado do coração! E o traseiro do lado direito. Acredite: já vi muito ciclista cair por se confundir na hora de frear…

Além das dicas acima, sempre mantenha seu olhar para a frente, prevendo o que acontece no entorno, os obstáculos e as reações dos outros veículos e pedestres. Fique sempre atento aos pedestres, que quase sempre atravessam na frente das bicicletas por não terem ideia de que a bike normalmente “chega” até eles antes do que eles previram, devido a velocidade em que se desloca. Este é o motivo mais comum de acidentes entre ciclistas e pedestres, principalmente nos parques, onde muitas vezes todos estão mais desatentos do que o usual.

Conluindo, utilize sempre seus freios com equilíbrio e segurança!


Postado em 8 de junho por gugamachado

Tags:, , , ,

Conheça 5 Tipos de Ciclistas Irritantes!

Por aqui nós amamos todos as modalidades de ciclismo! Pode ser urbano (meio de transporte), o recreacional (aquele rolê descompromissado num lindo domingo) ou mesmo o esportivo (onde a performance impera!). Mas as vezes, o ciclista se torna muito “entusiasmado”, e daí “passa do ponto”! Então vamos listar aqui cinco tipos de comportamento a serem evitados, para não ser o “chato” do pedaço!

E se você tiver alguma sugestão de algum tipo que não apareceu por aqui, inclua nos comentários!

1-) o “máquina de desculpas” : ele sempre “pedalou muito forte ontem”, e hoje não se sente bem…Isto quando não está de “ressaca”, se arrastando e  atrasando o rolê de todos….

2-) o “exibição de equipamentos”: este está sempre com o último lançamento da indústria, e faz questão de te mostrar todos os detalhes de sua nova aquisição, inclusive “pondo em cheque” o seu equipamento…lógico que uma hora ele percebe que equipamento ajuda, mas não define o resultado! Mas lógico, ele nunca vai admitir isto….

3-) o “ligado no tempo”: este faz questão de saber exatamente quanto tempo vai durar o rolê, qual será o trajeto exato, para que ele possa se preparar precisamente com o tipo de alimentação e equipamento necessários. Lógico que isto tira toda a espontaneidade do rolê, roubando um dos prazeres máximos do pedal que é a “aventura de se deixar levar pelos caminhos”….

4-) o “cronicamente despreparado”: este aqui nunca leva nenhuma ferramenta nem peça sobressalente (uma simples e básica câmara) no rolê, e na maioria das vezes sua bike está desregulada, ou fura o pneu…um tipo a ser ajudado, ou evitado!

5-) o “corredor”: aqui infelizmente temos um dos tipos mais comuns! Está sempre competindo e pedalando rápido, inclusive em ciclovias e ciclofaixas de lazer, colocando a segurança de todos em risco! Sempre repetimos isto por aqui: ciclovias e ciclofaixas não são locais de treino! Sabemos que no Brasil somos carentes de espaços para ciclismo esportivo, mas isto não justifica a utilização de estrutura de lazer e de transporte para treinar…

E você? Se “viu” em algum destes tipos????


Postado em 1 de junho por gugamachado

Tags:, , ,

Reformulada, Brasil Cycle Fair se aproxima repleta de novidades!

Com espaços distintos para profissionais do setor e para público final, a principal feira de bicicletas da América Latina reunirá diversos eventos em um só.

Principal evento de bicicletas da América Latina, a Brasil Cycle Fair 2017 está de cara nova, mais interativa e cheia de novidades. Com espaços, serviços e produtos dedicados para profissionais e para o público final, a feira cresceu e se modernizou ainda mais.

Então, marque na agenda, pois a BCF 2017 acontecerá de 22 a 24 de setembro, no São Paulo Expo, localizado na zona sul da capital paulista. Quem está acostumado com as outras edições irá se surpreender com tamanha inovação, tecnologia e estrutura. Veja abaixo todas as novidades:

A principal novidade de 2017 é que a Brasil Cycle Fair será dois eventos em um só local. Do lado de fora, o “Festival” será destinado para o público final com áreas de experiências, competições – Copa Internacional de Mountain Bike, BMX Super Spine e até show de manobras radicais em pistas de skate -, bike foods, espaço para crianças, test rides, lojas etc.

Enquanto os visitantes aproveitam o lado de fora, dentro do pavilhão, lojistas, fabricantes e importadores poderão fazer negócios com oportunidades exclusivas que só estarão disponíveis na BCF. O acesso ao pavilhão será exclusivo aos profissionais do mercado de bicicletas para que haja um melhor aproveitamento e cada público alcance seus objetivos. Caso um visitante da feira tenha interesse no Festival, ele também terá acesso a área externa.

Interatividade: um diferencia para o público final

Mais do que encontrar as novidades do mercado, os visitantes da Brasil Cycle Fair poderão viver o evento de uma maneira nunca vista antes na história da feira. Por exemplo, pedalar bikes de marcas reconhecidas no mercado, como Scott, Specialized, TREK, Groove e Audax num test ride; levar as crianças para aproveitar a Área Criançada; curtir uma boa música no palco de apresentações; acompanhar uma prova da Copa Internacional de MTB ou BMX de perto, por exemplo. A nova Brasil Cycle Fair oferecerá ao público a oportunidade de vivenciar cada uma dessas emoções e sentir de perto do espírito do universo de bicicletas.

Negócios 

Empresas do mercado de bicicletas espalhadas por todo o Brasil têm presença confirmada na Brasil Cycle Fair 2017, desde as grandes marcas até startups. Somente no lançamento, a NürnbergMesse Brasil, nova organizadora do evento, confirmou mais de 50 empresas presentes.

A Audax estará por lá com stand exclusivo!

 

Lembrando que na última edição foram movimentados aproximadamente R$ 70 milhões em negócios durante a feira. No entanto, a expectativa é superar essa marca em 2017.

Conhecimento

Diversão, negócios e discussões. Aqueles que forem à BCF poderão assistir palestras, debates, workshops e aulas de assuntos como cicloturismo, mecânica de bicicleta, mobilidade urbana, tecnologias, empreendedorismo e economia, além de tantos outros temas debatidos com frequência no setor. Tudo coordenado e monitorado por profissionais renomados e especialistas do mercado.

Marcas confirmadas

Audax, Specialized, Groove, TREK, Scott, Bronet, Dream BMX, Da Matta, Hupi Bikes, Kripta, Gantech, Blitz, TSW, Mix Bicicletas, Biape e First Bike são alguns dos expositores já confirmados para essa edição da Brasil Cycle Fair. Você pode garantir o seu lugar, clicando aqui.

Nova organização

Responsável pela feira desde 2012, a Aliança Bike passa a ser apoiadora institucional do evento, assim como o Simefre (Sindicato Interestadual da Indústria de Materiais e Equipamentos Ferroviários e Rodoviários) e Abradibi (Associação Brasileira da Indústria, Comércio, Importação e Exportação de Bicicletas, Peças e Acessórios). A nova realizadora e promotora é a NürnbergMesse Brasil, empresa multinacional especializada na realização de eventos e feiras de negócios.

”A Brasil Cycle Fair foi reformulada para atender às necessidades de todos os públicos do universo de bike. Queremos impulsionar o setor e auxiliá-lo na expansão dos negócios. Além disto, criamos uma área externa para gerar uma experiência inédita, levar ao consumidor final a vivência do ciclismo e também apresentar os principais lançamentos das marcas que estarão presentes. A NürnbergMesse Brasil usará toda a sua expertise em negócios para fomentar o mercado de bicicletas”, conclui João Paulo Picolo, Diretor Geral da NürnbergMesse Brasil

Serviço:

Quando: 22 a 24 de setembro de 2017

Onde: São Paulo Expo

Rodovia dos Imigrantes, KM 1,5 | São Paulo | Brasil

em breve divulgaremos detalhes de como será o acesso a feira!


Postado em 18 de maio por Eu Vou de Bike

Tags:, , , ,

Veja como travar sua bicicleta no paraciclo

Já demos algumas dicas para você deixar sua bicicleta mais segura nos paraciclos, mas o blog Ciclismo Urbano publicou uma ilustração muito bacana que pode te ajudar bastante.

Com a falta de bicicletários espalhados pelas cidades, muitas vezes temos de deixar nossas bicicletas presas a postes, grades ou paraciclos. O blog sugere o uso da U-Lock, uma espécie de cadeado em forma de ‘U’, muito mais sólido e seguro do que aquelas correntes com fios metálicos emborrachados.

Veja as dicas de posicionamento abaixo:

Além de seguir as dicas de posicionamento acima, não se esqueça de procurar um paraciclo que esteja preso firmemente ao solo e, de preferência, em um local movimentado. Locais com bastante gente passando dificulta bastante o trabalho dos ladrões.

Lembrando que, além da U-Lock no quadro, é interessante prender a roda que ficou sobrando com uma corrente emborrachada, só para garantir. :)



Próxima