Houston na web Youtube Flickr RSS

Blog Vou de Bike

Postado em 28 de abril por gugamachado

Tags:, , , ,

17 idéias de “bike racks” incríveis!

É claro que todo bom ciclista, se pudesse, deixaria sua bike num “bunker” a prova de fogo, e ainda com guarda armada, tamanho amor e apego temos as nossas magrelas!!!!

Brincadeiras a parte, o site Coolist trouxe uma seleção bem legal de “racks” para guardarmos nossas queridas dentro de casa!

Veja se alguma destas idéias te atende!!!

Clug Bike Clip

 Delta El Greco Bicycle Ceiling Hoist

 

Velo Sock Indoor Bike Cover

 

SteadyRack

 

Michelangelo Two Bike Gravity Stand

 

Bike Valet

 

Cycloc Solo

 

Velo WallStirrups

 

Artifox Rack

 

Mikili SLÎT

 

Saris Cycle Racks Hottie

 

The BikeAll

 

Saris Parking Vertical Rack

 

Flat-Bike-Lift

 

Woodstick Iceberg Chestnut

 

Pedal Pod

 

Vadolibero Bike Shelf


Postado em 25 de abril por gugamachado

Tags:, , , ,

Bicicleta nas Eleições !!!

                         UCB oferece auxílio financeiro para organizações de Ciclistas atuarem nas eleições municipais

A União de Ciclistas do Brasil, UCB, segue até o próximo sábado, 30 de abril, com o edital da Campanha Bicicleta nas Eleições aberto. Podem participar do processo de seleção, que visa a conceder aporte no valor de R$ 3 mil, organizações quem tem como objetivo promover a mobilidade urbana via bicicleta. As inscrições são realizadas pelo formulário online disponível e os resultados divulgados dia 4 de maio de 2016 na página da associação

Fruto de um projeto do Grupo de Trabalho de Políticas Públicas, mais conhecido como GT Políticas Públicas, da UCB, a iniciativa que conta com financiamento do Banco Itaú vai selecionar vinte instituições da sociedade civil, formalizadas (com CNPJ) ou não (sem a inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica), de cidades de todo Brasil interessadas em pautar junto aos candidatos ao pleito municipal deste ano a mobilidade urbana por meio da bicicleta.

“Com a Campanha, a UCB espera aproveitar a mesa de diálogo quadrianual para ampliar a inclusão da bicicleta nas políticas públicas a serem desenvolvidas pelos prefeitos e vereadores no mandato 2017-2020, além de qualificar o conhecimento da sociedade sobre a bicicleta como meio de transporte e de contribuir para o fortalecimento da rede de movimentos e instituições cicloativistas”, enfatiza André Soares, diretor-presidente da UCB.

Leia aqui  o edital na íntegra. Ele é o melhor meio para que você fique por dentro das normas da Campanha Bicicleta nas Eleições e, certamente, vai esclarecer algumas dúvidas que porventura apareçam. Mais esclarecimentos podem ser feitos pelo email uniaodeciclistasdobrasil@gmail.com.

SERVIÇO

Edital – Campanha Bicicleta nas Eleições

Quando: até 30 de abril

Onde: http://bit.ly/1VubBGb

Inscrições: http://bit.ly/1VubBGb

Mais informações: uniaodeciclistasdobrasil@gmail.com


Postado em 22 de abril por gugamachado

Tags:, , ,

Qual bicicleta devo comprar?

Sem nenhuma sombra de dúvida, escolher uma bike para comprar é hoje uma tarefa das mais complexas!

Com tantos modelos e especificações disponíveis no mercado, é muito comum nos depararmos com uma grande dificuldade em selecionar qual é o modelo ideal para nossa aquisição. Normalmente recorremos a “amigos ciclistas”, ou a lojistas experientes. Não que estes não estejam habilitados a nos ajudar, mas o melhor é termos ao menos alguma base do que procuramos, inclusive para ajudá-los melhor em sua seleção.

Nosso objetivo aqui é trazer esta base! A primeira dúvida é: devo comprar uma Mountain Bike (mais comum em nosso país), uma Speed (bicicleta de estrada, aquela com os pneus finos), uma Híbrida/ Urbana (modelo cujo uso vem crescendo cada dia mais), uma Elétrica ou uma Dobrável?

Basicamente, a escolha de uma bicicleta vai depender muito de seus próprios gostos, bem com do tipo de terreno e distância você pretende pedalar. O orçamento disponível também conta muito!

A boa notícia é que, seja você é um ciclista urbano, ou alguém que adora trilhas e natureza, ou ainda alguém que quer pedalar horas a fio numa linda estrada, há uma abundância de modelos para você!

Mountain Bike (MTB) :

Com uma posição de pilotagem mais ereta, quadros super resistentes e a opção de levá-la para trilhas e passeios “off-road”, as mountain bikes (MTBs) são uma escolha bastante popular para os ciclistas recreacionais. Muitos também apreciam o poder dos freios a disco típicos das MTB, bem como seus sistemas de suspensão, que muitas vezes se traduzem por um conforto maior. 

Mas os pneus com cravos que as tornam excelentes para terrenos acidentados, são péssimos nas cidades, quase que “segurando” no asfalto,e , muitas vezes, anulando a vantagem dos materiais de quadros, rodas e componentes mais leves, comuns nas Mountain Bikes mais “tops”. Se a sua utilização foi maior na cidade e você fizer questnao deste tipo de modelo, a solução é colocar pneus “slick” (liso) e mais fino. E se você for pedalar apenas em trilhas leves, não há necessidade de uma MTB “full-suspension” (suspensão dianteira e traseira), caso contrário, você estará pagando por uma tecnologia que utilizará pouco, e que certamente trará mais “peso” a bicicleta.

Portanto, as MTB são indicadas para trilhas e passeios “off road”.

Prós: Freios, posição de condução, resistência, versatilidade;
Contras: pesadas, lentas em asfalto, “chamativas” para os ladrões devido aos seus grafismos e valores.

Speed (Estrada)

Leves, rápidas e elegantes, as bicicletas “Speeds” (de corrida/ estrada) tornaram-se o transporte principal para toda uma geração de ciclistas (quem se lembra da Caloi 10?), por terem sido “inventadas” em um período onde não existiam bicicletas urbanas. A bicicleta de estrada “cobre” longas distâncias em um ritmo cadenciado e potente devido também aos seus pneus finos e rodas, componentes e quadros leves. Porém da mesma forma que eles ajudam a torná-la rápida, também pode torná-la mais vulnerável a danos em consequência de ruas mal conservadas. Infelizmente, os “ladrões” também “adoram” estes modelos, devido ao seu alto valor de mercado.

Prós: rápida, eficiente e divertida
Contras: pode ser frágil, pneus fáceis de furar, posição de condução desconfortável e “chamativas” para os ladrões devido aos seus grafismos e valores.

Híbrida/ Urbana:

As bicicletas híbridas/ urbanas têm a posição de pilotagem mais “neutra” (ereta) e confortável. As bicicletas híbridas “puras” combinam a velocidade das rodas aro 700C finas,  com a posição de pilotagem ereta de uma bicicleta de montanha, como se fosse uma “speed” misturada a uma “MTB”. Mas os detalhes podem variar e muito!

Você pode encontrar desde freios do tipo “v-brake” até os sofisticados freios “a disco”  das MTBs nesta categoria. Normalmente, os componentes e conjuntos privilegiam a robustez e a baixa manutenção frente ao peso e a performance. Como são bicicletas para o nosso “dia-a-dia”, também é muito comum termos racks para transportes de alforges e demais “tralhas” urbanas. Também é muito comum a presença de “pára-lamas” e sistemas de iluminação.

Se você pretende pedalar rapidamente em boas estradas e ruas, porém numa posição mais ereta e confortável (que se traduz também por menos performance devido a aerodinâmica e peso do conjunto), com a possibilidade de transportar pequenas cargas, certamente as bicicletas “híbridas” são para você!

Agora se o seu “pedal” for mais leve e suave, porém conforto, resistência da bicicleta, baixa manutenção dos componentes e capacidade de transporte for fundamental em seus deslocamentos, prefira uma bicicleta urbana (como a da imagem acima, por exemplo, que está equipada com um sistema de câmbio interno modelo“Shimano Nexus”).

Prós: bastante rápida (híbridas), versátil (urbanas), posição de pilotagem confortável
Contras: pode ser quase tão frágil como bikes speed (híbridas), peso do conjunto (urbanas)

Dobrável:

Mais adequada para trajetos curtos – especialmente onde existe dificuldade em estacionar a bike em seu destino – ou para comutar (completar) o seu pedal com outros modais (metro, trem, ônibus, etc), as bicicletas dobráveis são bastante populares entre os ciclistas urbanos.Os modelos mais compactos vão caber até sob sua mesa de trabalho, podendo ser levados em um trem ou ônibus mesmo na hora do rush.

Uma bicicleta dobrável nunca será como uma bicicleta “convencional” em termos de performance e conforto, devido as suas características (roda pequena, distância entre-eixos curta, poucas marchas), porém, as dobráveis mais modernas e mais “top” surpreendem e muito nestas duas características, quase se equiparando a modelos convencionais.

Prós: convenientes para armazenar e transportar em outros modais;
Contras: mais lenta e pesada do que uma bicicleta convencional

Elétrica:

Com o auxílio extra de um motor de 250W, por exemplo, as bicicletas elétricas são ótimas opções para os ciclistas que precisam chegar ao trabalho em um estado “menos suado”. Também ajudam muito em subidas, ou se o seu condicionamento físico não está “lá estas coisas”…

Apesar da polêmica sobre “se elas são bicicletas ou ciclomotores” (nossa legislação ainda é muito obscura, principalmente devido a novidade do tema), elas vêm sendo cada vez mais utilizadas, principalmente nos grandes centros urbanos.

A maioria delas são projetados para serem confortáveis e fáceis de se conduzir. Também possuem as características urbanas (para-lamas, bagageiros e sistema de iluminação) necessárias para uma boa utilização como meio de transporte.

Elas ainda são pesadas e caras. No entanto, com o desenvolvimento da tecnologia, a tendência é que elas fiquem cada vez mais baratas e leves.

Prós: Condução fácil e agradável, confortável
Contras: Necessidade de recarga de bateria (atualmente ainda demorada), mais pesadas e caros que uma bicicleta convencional

Esperamos com este pequeno guia poder auxiliar em uma decisão tão importante!

E qualquer dúvida deixe aqui nos comentários, que teremos o maior prazer em responder!


Postado em 14 de abril por gugamachado

Tags:, , ,

Conheça o Bicicultura!!!

O Bicicultura, maior encontro nacional de mobilidade por bicicleta e cicloativismo, acontece entre 26 e 29 de maio de 2016 em São Paulo. Organizado pela sociedade civil, busca ser o expoente máximo da bicicleta em todas as suas vertentes: cultural, social, política, artística, econômica e ambiental.

O evento abre espaço para o convívio, o compartilhamento de conhecimento e a formação de alianças entre ciclistas, cicloativistas, entusiastas e interessados na democratização urbana, na sustentabilidade ambiental e na qualidade de vida que a bicicleta proporciona.

Olha que vídeo legal:

 

A programação, em fase de elaboração, contará com palestras, oficinas, mostra de filmes, bicicletada noturna e outras atividades gratuitas, como feiras de trocas e exposição de novidades do mercado da bicicleta. Em breve serão abertos editais para sugestão de oficinas e para inscrição de filmes na mostra. Os locais das atividades ainda serão definidos e anunciados em breve.

O Bicicultura 2016 é idealizado e realizado pela União de Ciclistas do Brasil – UCB, Ciclocidade, Instituto CicloBr, Instituto Aromeiazero, conta com o patrocínio Banco Itaú e apoio institucional da Prefeitura de São Paulo, além dos apoiadores Aliança Bike, ANTP, Apé, Bicicleta para Todos, Bike é Legal, Brasil Bike Polo, Bike Anjo, Bike Zona Oeste, CicloZN, Cidade a Pé, Compartibike, Dream BMX, Figura Filmes, Greenpeace, Instituto Saúde e Sustentabilidade, ITDP Brasil, oGangorra, Página da Rachel, Pedal Verde, Portal Mobilize, Transporte Ativo, Silvia e Nina e Vá de Bike.

Se você se identificou com esta proposta e quer colaborar, tem aqui uma campanha de financiamento colaborativo bem estruturada!

Nos vemos em maio!


Postado em 7 de abril por gugamachado

Tags:, , ,

De Bike em Brasília!

Por aqui nós adoramos imagens! Fotos e vídeos dizem muito! E neste sentido, nosso leitor Artur Dias Rocha está com um projeto muito legal!

Ele realizou um ensaio fotográfico intitulado “De bike na cidade”, que tem como objetivo retratar a cidade vista pelos ciclistas, mostrando os pontos positivos de se ter essa atividade como hobby ou como meio de transporte no dia-a-dia e também denunciar problemas que os ciclistas encontram em seus percursos, buscando sempre a reflexão, bem como, suas melhorias.

Segundo ele, ” o uso da bicicleta é uma atividade cada vez mais frequente na vida daqueles que buscam uma vida mais saudável, um contato mais humano com a cidade, a economia de dinheiro, sentir-se livre, ou seja, pessoas que buscam uma melhor qualidade de vida e consequentemente, uma cidade melhor.” E nós concordamos!

No blog dele você pode visualizar várias fotos, todas acompanhadas de um texto explicativo/ inspirador!

Veja mais algumas belas imagens:

 

E aí? Se inspirou a fazer o mesmo em sua cidade? Se você tiver algum projeto nesta linha manda pra gente que publicamos por aqui!

E parabéns pelo trabalho, Artur!!!

 


Postado em 31 de março por gugamachado

Tags:, , , , ,

10 Razões para tirar uma semana de folga dos treinos!

Quando estamos bem condicionados, ninguém gosta de interromper seus treinos, seja qual for o motivo. Porém, hoje em dia sabemos que este “break” pode na verdade dar um “boost” no seu progresso geral!

A idéia de ficar bem condicionado encostando a bike, guardando o seu tênis, ou mesmo deixando a poeira se acumular em seu tapete de yoga, pode parecer loucura, mas ter um tempo longe dos exercícios que você ama realmente pode torná-lo melhor, mais rápido, mais forte e mais feliz a longo prazo. Aqui estão 10 das principais razões para tirar um tempo de folga dos exercícios:

Dedique tempo para diminuir o seu estresse

Mesmo que você ame o seu treino, encaixá-lo em sua agenda diária significa ter menos tempo para lidar com outras responsabilidades que certamente você tem no seu dia-a-dia. E isto pode levar ao estresse, quer você perceba ou não. A consultora de desempenho mental Danelle Kabush, uma ex-atleta da categoria “pro” das corridas  ”Xterra”, diz que “muitas vezes vê clientes estressados com estes desequilíbrios em suas vidas. Tome esta semana livre de exercício para se concentrar em outras áreas de sua vida (como família, trabalho e atividades domésticas) que você pode estar ter deixando escapar,” ela aconselha.

Atualize seu sono

Use as horas que você normalmente gastaria em seus treinos para recuperar seu sono atrasado nesta semana sem treinos. Um estudo mostra que se você está constantemente tendo apenas seis horas de sono por noite, você está funcionando tão mal como alguém que não tenha conseguido dormir por duas noites consecutivas, mesmo se você estiver sentindo-se bem. Teste a teoria: Se você costuma dormir seis horas por noite e se exercitar por uma hora no dia, acrescente esta uma hora de exercício ao sono, dormindo sete horas por noite. E depois que retornar a sua rotina de treinos, identifique maneiras de acrescentar esta uma hora a mais de sono de maneira definitiva ao seu cotidiano.

Evite o famoso “Burnout Workout”

Se você curte ciclismo, spinnig, ou CrossFit, ao realizar sempre a mesma atividade mais e mais você pode começar a sentir-se enjoado, se você não “tomar um ar” de vez em quando. Mesmo se você ama seu esporte, parar por alguns dias só vai fazer seu retorno parecer melhor. “Você se lembra por que você ama algo quando não pode fazê-lo”! Diz Kabush.

Alongue-se

Tome esta semana para encontrar mais equilíbrio em sua vida e seus músculos! Alongue-se de forma a sentir aquele músculo escondido que você nunca havia sentido. Você pode fazer isto sozinho, ou através de uma massagem especial orientada neste sentido. Você pode inclusive fazer algumas aulas de yoga suave, ou até uma  sessão de meditação guiada. Ou seja, faça alguma coisa boa para seu corpo!

Seu cérebro precisa de uma pausa

Exercício físico pode ser a sua liberação do stress, mas ainda assim cobra um preço da sua mente! Especialmente se você está fazendo um treino intervalado ou trabalhando para dominar habilidades técnicas para um esporte específico, explica Kabush. Além disso, uma semana de folga destes treinos pode dar-lhe tempo para digerir o que você aprendeu de forma a abordar as coisas de maneira mais “fresca” quando você voltar a  treinar; pense nisso como dormir com um problema e acordar com uma mente mais calma e com uma solução razoável, diz fisioterapeuta e treinador de ciclismo Peter Glassford.

Evite o “Overtraining”

Alguns de vocês podem estar familiarizados com a síndrome de “overtraining”, que se desenvolve a partir de um treinamento muito pesado ao longo muito tempo, deixando-o fatigado, deprimido e cansado. Uma semana de recuperação dedicada pode salvá-lo do longo período de descanso que você vai, eventualmente, ter que enfrentar, se você entrar em um estado de  ”overtrained”. Uma vez que você tenha um diagnóstico sério de “overtraining”, pode levar meses ou anos longe de exercício para ficar totalmente recuperado. Dito isto, esta semana de “folga” fica bem menor, não é?

Fique forte!

Fisioculturistas têm um ditado: “Você não consegue levantar pesos mais fortes, você fica mais forte se recuperando de levantar pesos mais fortes.” Seu corpo precisa deste tempo de repouso para reconstruir e deixar que as adaptações de seu treinamento ocorram – por isso não se surpreenda se a sua semana de folga te fizer mais forte e mais capaz de subir seu nível de treinamento. “Curiosamente, eu vejo um monte de recordes pessoais após os meus atletas descansarem mais tempo. Muitas vezes, inclusive, mais tempo do que eles próprios  gostariam”, diz Glassford. Você ficará surpreso com o que seu corpo pode fazer quando não está tentando se recuperar.

Aborde as pequenas coisas

A maioria dos atletas tem dores incômodas, de joelhos ruins as quadris doloridos, ou uma “fisgada” na parte inferior das costas. Use esta semana de folga dos treinos para procurar aconselhamento especializado de um médico, quiroprático ou fisioterapeuta. Você também pode usar esta semana para olhar criticamente para a sua alimentação, registrando as suas refeições para se certificar de que você está recebendo bastante proteína, comer seus legumes, e ingerir a quantidade certa de gorduras saudáveis. Enquanto você está nisto, faça uma avaliação sincera de como está a progressão de sua rotina de treinos, converse com o seu treinador se tiver um, investigue se há algum ajuste que você gostaria de realizar ou quaisquer novas metas ou provas que você deseja adicionar ao seu calendário de treinos.

E, finalmente, entre em alguma “terapia de compra”: Se o seu equipamento de treino está ficando desgastado ou obsoleto, passar algum tempo substituindo este equipamento vai te motivar a utilizá-lo em seu retorno! Nada melhor do que um tênis novo, ou um novo frequencímetro (atualmente tem muitos modelos de “smartwatches ” bem interessantes) para nos motivar!

Renove sua motivação

Você se sente mal-humorado quando vai a academia no final de tarde? Irritabilidade é muitas vezes um dos primeiros indicadores de que você está treinando muito. É por isso que este é um dos principais testes de overtraining no questionário Hooper MacKinnon  para atletas, comumente utilizados durante os períodos  de treinamento de elite. Tire um tempo para perguntar a si mesmo, em uma escala de 1 a 7, como seu nível de irritabilidade está, sugeriu Glassford. Quando você sentí-la subir e ficar lá em cima, talvez seja tempo para uma semana de descanso. O tempo fora deve ajudar a aliviar o seu mau humor, ou pelo menos dar-lhe o tempo livre para chegar à raiz de por que você está se sentindo assim.

Mude suas expectativas

Esta semana pode ajudá-lo a sair de seu próprio modo, em termos de seus objetivos de desempenho. Se você não está atingindo seus objetivos, seja em uma sessão de treinamento em grupo ou uma competição, um bloqueio mental pode estar te segurando, diz Kabush. Mas se você está “fresquinho” a partir de uma semana de folga, pode ser mais fácil de entrar em grande forma e  obter um ótimo resultado, mesmo se você não está esperando por ele!


Postado em 24 de março por gugamachado

Tags:, , ,

Viajando pelo mundo numa Bicicleta Fixa !!!!

Nós aqui do EVDB adoramos cicloturismo! Navegue pelo nosso site e veja as muitas matérias que já fizemos a respeito, inclusive com muitas dicas de pessoas bem experientes.

Assim pode-se dizer que nós já vimos de tudo por aqui! Ou melhor, quase tudo! Nunca tínhamos visto alguém empreender uma viagem de bicicleta utilizando uma fixa!

Para você que não sabe do que se trata, uma bicicleta fixa é, nas palavras do cicloturista Pedro Vianna, “é um tipo de bicicleta que oferece maior controle para quem está pedalando. Você pode, por exemplo, pedalar para trás. Ao contrário da roda livre, como é o caso das bicicletas convencionais. Ou seja, a sua bike só vai estar em movimento se você estiver pedalando. Portanto, a velocidade e a hora de parar são controlados exclusivamente por suas pernas.”

Fixie, Bike fixa, roda fixa, Fixed Gear, todos esses nomes são maneira de chamar este tipo de bicicleta.

Elas são utilizadas nas pistas de ciclismo e deram origem as que são vendidas atualmente. Há alguns anos começaram a ser utilizadas e vistas circulando regularmente em São Francisco, Nova York, e Europa.

Ainda baseado na sua experiência de uso, ele diz que “pedalar uma bicicleta assim é diferente, a relação que você tem com a bike é outra. O controle é totalmente ligado ao corpo. É complicado de explicar com palavras. Mas quem pedala uma fixa tem uma relação de paixão pela bicicleta!”

Tendo já realizado um grande “tour” pela Europa, ele se prepara para seu próximo projeto agora em abril, que será realizado no Japão!

Mas nada melhor que o próprio explicando o projeto:

 

 

Se quiser saber mais sobre a expedição, veja em:

www.bikemyself.com

www.facebook.com/bikemyself

http://www.youtube.com/channel/UCB3BkQfUN8LQHvZ8Qdn6EfQ

Instagram: @bikemyself

E em breve uma entrevista com o Pedro por aqui, para que sirva de estímulo para o cicloturista que habita dentro de você!!!!!

 


Postado em 17 de março por gugamachado

Tags:, , ,

9 Perguntas que você DEVE Fazer antes de comprar sua primeira bicicleta!

Otimize sua compra de bicicleta com estas perguntas simples. E lembre-se: se o vendedor se incomodar em respondê-las, é sinal que sua compra deve ser realizada em outra loja!

Eu sei realmente qual a utilização que vou fazer desta bike?

Esta é uma pergunta que você deve fazer a si mesmo, e não ao vendedor! Emily Bremer, gerente de marketing feminino da Trek Bikes, salienta que esta é provavelmente a coisa mais importante a resolver antes de começar sua pesquisa. “Pense no que você quer versus o que você precisa”, diz ela, acrescentando que os dois podem ser muito diferentes! Você definitivamente não precisa de rodas de carbono para participar no passeio do grupo recreativo local, mesmo se você quiser tê-las! Mais importante ainda, pense sobre  o uso que irá fazer da bike na maioria dos seus rolês, e também qual o tipo de caminho que você tem a sua disposição na maior parte do tempo: ruas da cidade, trilhas, estradas, e por aí vai…Não adianta nada comprar uma “mountain bike” top de linha se na maior parte do tempo você vai pedalar na cidade. Hoje em dia existem bikes bem adaptadas ao ciclismo urbano (híbridas, urbanas), que vão dar “conta do recado” muito mais eficientemente do que uma bicicleta de trilha!

Eu ainda preciso comprar uma bicicleta em uma loja especializada de bicicletas (bike shop)?

Você pode comprar qualquer coisa na internet nos dias de hoje! Inclusive sua nova bicicleta! Mas só porque você pode não significa que você deve…Quando você compra uma bicicleta a partir de um revendedor autorizado, você sabe que a bike foi montada e testada por um mecânico profissional, além do que você também começa a construir um relacionamento com a loja, o que é sempre uma ótima maneira de descobrir sobre novas rotas ou passeios em grupo, ou mesmo aulas de manutenção e eventos ligados a bicicleta! Ao comprar numa bike shop, você também garante que você não está adquirindo um produto falsificado, que infelizmente é um problema comum no mercado de bicicletas.  A compra em uma loja especializada ainda pode ter mais benefícios, como a assistência inicial personalizada e dentro da garantia, coisa que você não tem ao comprar a bike num supermercado, ou mesmo uma bicicleta usada.

Posso pedir um desconto?
“Você sempre pode pedir”, diz Bremer, mas as margens em bicicletas são tão  anêmicas que você deve estar preparado para algo mínimo. No entanto, ela diz que as lojas estão muitas vezes dispostas a dar bons descontos em acessórios, especialmente quando comprados em conjunto com uma bicicleta.

Posso fazer um “test-drive” ?
“Definitivamente fazer um passeio de teste vai validar a recomendação de um vendedor confiável”, diz Bremer. Na verdade, se uma loja de bicicletas não deixar você dar uma volta rápida para um teste, inclusive te acompanhando no percurso, você provavelmente deve comprar em outro lugar. “Certifique-se que neste rolê sejam demonstradas as características principais da bike, principalmente as mudanças de marchas e freios”, diz Bremer.

Como posso saber se uma bicicleta se encaixa comigo?
É tarefa quase impossível avaliar uma bicicleta num passeio de teste de 10 minutos! Então você terá que contar com a sua intuição, e principalmente confiar na indicação do vendedor (aqui o ideal é que este seja indicado por algum conhecido seu). “Basicamente, você não deve ficar super-estendido tentando alcançar o guidão”, diz Bremer. Se estiver inseguro sobre esta distância, peça para testar a mesma bicicleta  no próximo tamanho para cima e para baixo (P.ex. se estiver testando uma bike com o tamanho M, peça uma P e depois teste também uma G). Certamente esta  comparação vai tornar mais clara em qual delas você se encaixa melhor.
Você provavelmente vai acabar gastando horas em sua bicicleta, então você deve se sentir confortável ao pedalar! Nada deve ser estranho, a não ser o desconforto inicial do selim, que só desaparece com o tempo. “A maioria dos selins (bancos da bike) são um pouco desconfortáveis no início, especialmente se faz tempo que você não pedala”, diz Bremer. Uma última pergunta que vale a pena ser feita é se sua a loja te ajudará no sentido de um “bike fit”, que é uma adequação da bike ao seu biotipo. A maioria das lojas tem este serviço incluso em algumas categorias de venda, onde inclusive substituem peças de sua bicicleta nova para adequá-la melhor a sua pedalada!

Eu tenho que comprar uma bicicleta específica com relação a gênero (masculino/feminino)? Qual é a diferença?
Não, definitivamente não. Porém vale muito a pena aprender sobre elas, e se houver oportunidade, comprar uma bicicleta mais orientada ao seu gênero. Nossa recomendação inicial de não priorizar a compra de um equipamento específico é para que isto não seja um impeditivo para você comprar sua primeira bike, uma vez que comprar uma bicicleta por gênero pode agregar mais custo. “O que faz de uma bicicleta ser específica para mulheres varia de marca para marca”, diz Bremer. Algumas marcas usam diferentes espessuras de carbono em todo o quadro para fazer bikes mais leves, enquanto outras, além de utilizar um grafismo mais feminino,  oferecem características tais como apresentar uma geometria com um alcance mais curto para o guidão, guidões mais estreitos, e selins específicos femininos. “Existem muitas vantagens nesta política, mas lembro que a geometria das bicicletas femininas também não se aplicam a todas as mulheres”, diz Bremer.

Além disso, os produtos específicos para mulheres `as vezes funcionam melhor para os homens. “É muito raro, mas acontece”, diz Bremer. Então, se o vendedor sugerir a você testar uma bike que não seja do seu gênero,  não se ofenda! Ele só quer ter certeza de que você está testando as melhores possibilidades.

Quantas bicicletas devo testar?

Steve Beheler, lojista americano,  diz que você deve testar, pelo menos, duas ou três bicicletas. Porém evite fazer um teste muito longo com a bike. “Se alguém pedalar  10 bicicletas, vai ficar mais confuso do que qualquer outra coisa”, diz ela.

Posso pedir para loja de bicicletas para instalar um “descanso lateral”? E como ficam os acessórios que eu comprei on-line?
“Se a sua bike tiver local apropriado para instalação do “descanso” (pézinho), nós  vamos instalá-lo, bem como  qualquer outro acessório que você desejar”, diz Beheler.. Enquanto a maioria das bicicletas híbridas e urbanas possuem este “nicho” para instalação, nos modelos de estrada e de montanha geralmente esta história é diferente. Neste caso, pergunte ao seu mecânico qual a melhor maneira de “estacionar” sua bike. Quanto aos acessórios comprados “online”, a maioria das lojas vai instalá-los sem problema, mas certamente cobrarão uma taxa pelo serviço. Se a própria bicicleta for comprada online, ou mesmo você adquirir uma bike usada, a maioria das lojas irá fazer a montagem, os ajustes e “bike fit” sem nenhum problema. Porém, novamente, cobrarão uma taxa por este serviço.

Bicicletas vêem com alguma garantia ou mesmo um plano de manutenção incluído?

Isto varia. Todas as bicicletas novas vêem com a garantia determinada pela lei do consumidor. Em alguns casos, este período pode até ser maior, como é o caso de alguns fabricantes cujos quadros possuem garantia vitalícia. Porém ao comprar sua bicicleta você deve pensar que este será o início de um longo (e, esperamos feliz) relacionamento com sua loja de bicicletas local. Isto significa que provavelmente você vai levar a sua bicicleta algumas vezes por ano para manutenção e reparos.

Algumas lojas incluem um nível de serviço de manutenção relacionado com a compra de uma bicicleta; assim, você deve perguntar sobre a política da sua loja no momento da compra. Você também deve saber o que a garantia do fabricante cobre. Muitas vezes, os quadros são cobertos “sob uso normal” que não inclui danos causados por “mau uso”. Por fim, como aqui no Brasil uma boa parte das bicicletas são importadas, você deve perguntar na sua loja se ela vai auxiliá-lo na eventual necessidade de uso da garantia junto ao importador. Isto é importantíssimo e pode lhe poupar uma enorme dor de cabeça no caso de algum problema com o equipamento.


Postado em 10 de março por gugamachado

Tags:, ,

O poder das mulheres nas duas rodas

Há muito tempo estamos acompanhando o crescimento das mulheres no universo da bicicleta. Seja em eventos esportivos, seja nas ruas da cidade, as mulheres estão ganhando um espaço cada vez maior, a ponto da maioria dos fabricantes criarem produtos exclusivos e desenvolvidos especialmente para atender a este emergente e exigente mercado.

E com isto surgem os primeiros grupos especializados nesta crescente demanda, tais como o grupo das Pedalinas, do Saia na Noite e muitos outros espalhados pelo Brasil!

Nas últimas semanas fomos conhecer um pouco do projeto Ciclofemini, liderado pela Cláudia Franco, com quem batemos um papo.

Acompanhe esta conversa e veja que caso legal!

De onde surgiu a ideia de dar aulas de ciclismo para mulheres?

CF: A ideia surgiu da minha própria necessidade. Quando comecei a pedalar não encontrei nenhuma escola, nenhum profissional que pudesse me ensinar. Acabei aprendendo a pedalar sozinha aos 48 anos de idade. O método de ensino do Ciclofemini tem como base o meu auto-aprendizado, por isto há detalhes que fazem o diferencial do método, sei onde estão os pontos críticos de mais insegurança ou medo.

Como vocês perceberam que havia uma demanda nesse sentido?

CF: Na realidade a demanda aconteceu espontaneamente. No início, apostei nos cursos de mountain biking, cicloturismo, ciclismo urbano. Porém o curso para iniciantes despontou-se, pois não é somente para quem não saber pedalar, é para quem não tem habilidade, destreza ou conhecimento técnico. Pessoas que pedalam desde criança, que pedalam há muito tempo fazem o curso conosco para aperfeiçoar postura, conhecer novas técnicas e principalmente pedalar com segurança.

A mulher que quer pedalar precisa ter algum preparo especial?

CF: A princípio não. É importante ressaltar que o Ciclofemini iniciou focado em  mulheres, mas hoje atendemos todos os públicos, homens, mulheres, jovens, crianças de todas as idades. Não demandamos nenhum preparo ou conhecimento prévio. Auxiliamos os alunos na conscientização corporal, nutrição, preparo físico e mental, pois além da equipe que atua diretamente com os alunos ser formada por atletas e profissionais da área de educação esportiva, somos assessorados por profissionais da saúde. Além das aulas de bike, os alunos recebem um conjunto de exercícios para realizarem fora das aulas regulares.

Para alguém que nunca pedalou na vida adulta, quanto tempo em média é necessário de treinamento para sair pedalando?

CF: Varia muito de pessoa para pessoa. O que mais dificulta é o medo, ansiedade, timidez e a pressa em aprender. Se a pessoa encara como um diversão, como algo prazeroso e deixar o processo acontecer o aprendizado é mais rápido.

Que tipo de bicicleta e acessórios são mais adequados para as mulheres que querem começar a pedalar?

CF: Sempre instruo o aluno a definir o propósito do pedal, ou seja, depois de aprender a pedalar e já pedalando bem, como será o futuro? Volta no parque, trilhas, cicloviagem, ciclismo urbano ou de estrada?  Um vez definindo o propósito, recomendo sempre comprar a bicicleta no tamanho adequado a sua estatura. Recomendo que façam o ajuste da bicicleta, o bike fit, assim como a comprarem bicicleta com componentes de boa qualidade. No caso específico de mulheres, sugiro que busquem por bicicletas femininas, cujo quadro tem uma geometria específica. Ressalto que as bicicletas de boa qualidade nunca serão baratinhas. Comprar uma bicicleta baratinha só porque está no início é um equívoco, pois a bicicleta não vai corresponder, pode ser pesada demais e a pessoa pode vir a desistir de pedalar.

Que dica e incentivo você pode dar para alguém que nunca pedalou e quer começar?

CF: A primeira coisa é encarar a aula de bicicleta da mesma forma que encararia uma aula de natação, uma aula de tênis ou de qualquer outra atividade física. Com orgulho e não com vergonha. É mito achar que todo mundo sabe pedalar, que somente mulher não pedala e que criança aprende mais rápido que adulto. Muitos homens aprenderam a pedalar conosco. Adultos até o momento aprenderam mais rapidamente que as crianças, alguns deles aprenderam em apenas 30 minutos de aula. Dizer que todo mundo aprende a pedalar quando criança é mito. Além disto a bicicleta é uma das melhores opções para manter a forma e o condicionamento físico. Não tem contraindicação, ou são muito raras. Não oferece impacto nas articulações, mulheres gestantes podem pedalar, excelente para desenvolver o equilíbrio e também a congnição. Há diversas opções de lugares, passeios e viagens. Não tem limite de idade. Não depende de nada e de ninguém, apenas você e a bicicleta. A atividade física com a bicicleta é democrática, saudável e corretamente ecológica.

Quais são os objetivos para o futuro da Ciclofemini?

CF: Este ano foi de construção. Apresentar para o mercado a seriedade com a qual desenvolvemos o nosso trabalho e construir uma base sólida com relação aos serviços que prestamos. O futuro é consolidar o Ciclofemini como uma escola completa de ciclismo, seja de estrada, urbano ou montanha. Quando digo completa é levar ao nosso aluno tudo o que há de mais atual, seja em termos de equipamentos, recursos para as aulas, orientação para o desenvolvimento físico e mental e claro que com relação as técnicas do pedalar corretamente.

Obrigado Cláudia Franco por dividir sua experiência conosco, e que suas palavras sirvam de estímulo para que mais e mais pessoas possam conhecer e se aventurar no universo das bicicletas!

 >> Saiba mais sobre a Ciclofemini

Postado em 3 de março por Eu Vou de Bike

Tags:, , , ,

Quer poupar? Vá de bicicleta!

Andar por aí de carro está cada vez mais caro. Além dos gastos com combustível, que não param de aumentar, o motorista ainda tem que se preocupar com seguro, IPVA, estacionamento… E ainda tem o tempo perdido nos congestionamentos, e nos dias de hoje, tempo é dinheiro, né?

E como economizar, então? Usando a bicicleta como meio de transporte! Um estudo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) constatou que ir de bicicleta ao trabalho custa cerca de 17 centavos por quilômetro. De carro, esse valor chega a mais de 1 real por quilômetro rodado.

Segundo o estudo divulgado em 2011, quem adotar a bicicleta como meio de transporte pode economizar cerca de R$ R$ 3.700 por ano em relação à manutenção de um automóvel.

De acordo com reportagem do O Eco, o levantamento considerou o preço de uma bicicleta nova, a aquisição de acessórios, a depreciação e a manutenção do equipamento, com base em trajetos de 20 quilômetros por dia.

Quer saber, em média, quanto você economiza ao trocar o carro pela bicicleta? Aqui no Eu Vou de Bike, nós temos uma ferramenta que faz esses cálculos por você.

Abaixo, vamos fazer a simulação de uma situação em que a pessoa vai ao trabalho 5 dias por semana, a 7 quilômetros de distância, e também usa a bicicleta para ir até a academia, que fica a 4 quilômetros de distância, três vezes por semana. Veja só:

Em uma semana, apenas nesses dois trajetos, essa pessoa teria pedalado 52 quilômetros. Sabe o que isso significa de economia no bolso, apenas com combustível (sem contar estacionamento, manutenção do carro, seguro, etc)? R$ 23,90! Em um mês, fazendo apenas esses dois trajetos bem curtos, dá pra economizar quase R$ 95,60 só de combustível! Além disso, nesses 52 quilômetros, a pessoa queimou 3 mil calorias, o que é ótimo para a saúde, e ainda poupou o meio ambiente da emissão de 14 quilos de poluentes.

>> Faça as suas contas na calculadora do Eu Vou de Bike*

Viu como é possível evitar que o preço da gasolina tire o seu sono? Quanto mais você pedalar, mais vai economizar. E o único combustível necessário será o arroz e feijão para manter a força nas pernas na hora da subida!

* Atenção: os números da calculadora são aproximados e podem variar, dependendo do preço da gasolina da sua cidade, do nível de congestionamento, do seu preparo físico e do grau de subidas e descidas do percurso



Próxima