Houston na web Youtube Flickr RSS

Blog Vou de Bike

Postado em 2 de março por gugamachado

Tags:, , , ,

Dicas para queimar melhor sua gordura!

 

Quem nos acompanha sabe que não somos um blog focado em nutrição. Porém, não adianta nada gastar uma fortuna na busca por tornar sua bike mais leve, enquanto o ciclista segue “pesado”. Mesmo que seu pedal não seja de “performance”, uns quilos a menos sempre vão bem, né?

E nada melhor do que eliminá-los fazendo o que a gente mais gosta: pedalar!!!

Adicione alguns intervalos difíceis a sua rotina de pedal:

Para maximizar a sua capacidade de queima de gordura, a treinadora olímpica Gale Bernhardt recomenda fazer o que ela considera como “intervalos milagrosos”, uma ou duas vezes por semana (mas não mais!). Estes intervalos são muito curtos, cerca de 10 a a 30 segundos de esforço máximo com recuperação completa entre eles. Combinado com o treinamento regular de resistência, pesquisas mostram que este tipo de intervalo de “muita alta intensidade (HIIT)” aumenta o seu consumo máximo de oxigênio, aumentando o seu limiar de lactato, e melhorando sua economia de eneriga no ciclismo, a qual vai permitir que você permaneça na sua zona “aeróbica” por mais tempo, para que você pode queimar mais gordura em intensidades mais elevadas.

Aqui cabe uma observação: você sabe qual é sua zona aeróbica ? Se não sabe, faça o seguinte: em primeiro lugar, você deve ter algo para medir a sua frequência cardíaca (FC) de maneira continuada. Você pode utilizar um frequencímetro, aparelho cada vez mais comum e barato. Daí pegue a sua idade, e faça o seguinte cálculo: 220 menos sua idade. Esta é a sua frequência cardíaca máxima (FCmax). A partir daí, sua zona aeróbia será de 60 a 70% deste valor. Vamos a um exemplo. Se você tem 30 anos, sua frequência cardíaca máxima será de 190 BPM (batimentos por minuto). E sua “zona aeróbica” será de 114 a 133 BPMs. E com a melhoria do nosso condicionamento, a tendência é termos nosso batimento cardíaco mais baixo, o que possibilita mais esforço (e consequentemente um maior gasto calórico) até atingirmos a nossa zona alvo.

Lógico que você vai precisar de algum condicionamento prévio para fazer estes intervalos com esforço maior. Por isso, se você é um iniciante, pedale regularmente por  alguns meses para conhecer seu corpo e se adaptar ao esporte e aos seus batimentos., antes de iniciar esta rotina!

Abaixo temos um exemplo de treino “intervalo milagre”:
• Aquecer durante 20 minutos a um esforço aeróbio
• 3 x 30 segundos pedalando com todo seu esforço (batimentos até 90% de sua FCmax), com 04:30 segundos de “giro leve” para recuperar;
• 3 x 20  segundos pedalando com todo seu esforço (batimentos até 90% de sua FCmax), com 04:40 segundos de “giro leve” para recuperar;
• 3 x 10 segundos  segundos pedalando com todo seu esforço (batimentos até 90% de sua FCmax), com 04:50 segundos de “giro leve” para recuperar;
• “Resfriar” por 5 minutos, girando bem leve, até abaixo de sua zona aeróbica.

Respeite a sua recuperação.

Lembre-se de que treinamentos pesados só funcionam se você permitir que seu corpo se recupere. Você precisa de passeios leves e dias de folga também, diz Bernhardt.  ”O maior erro que eu vejo ciclistas fazendo é que eles treinam pesado todos os dias, as vezes mais de uma vez por dia” diz ela. Nessa situação, a fadiga embota todas as adaptações que fazem de você um melhor “queimador de gordura”. Em qualquer semana, Bernhardt recomenda não fazer mais de três pedais “pesados”, que podem ser este intervalado, ou aquele pedal com seu grupo que “puxa mais”, ou aquele mais focado em subidas, ou até um pedal bem mais longo que o seu habitual.

Lembre-se  também de  ter um sono adequado. O sono é quando seu corpo se “auto-repara” e se recupera totalmente. Além disso, pesquisas demonstram que ao “economizarmos” no sono, retardamos nosso seu metabolismo, o quê, obviamente, não é benéfico para a queima de gordura, e leva ao ganho de peso.

Faça alguns pedais “café” a cada semana.

Quando os depósitos de glicogênio estão baixos, seu corpo é forçado a retirar de suas reservas de gordura, razão pela qual ciclistas profissionais juram fazer alguns treinos na sua rotina semanal em jejum. E é mais fácil de fazer isto na parte da manhã. Uma ou duas vezes por semana, você pode tomar um café preto, que estimula a liberação de ácidos graxos em sua corrente sanguínea e ir para o seu pedal, tomando seu café da manhã quando você retornar. “Se você está indo pedalar  mais de uma hora e meia, leve comida com você e começe a comer depois de cerca de uma hora e quinze minutos”, diz Bernhardt.

Algumas pesquisas sugerem que fazer duros esforços em jejum aumenta suas adaptações de queima de gordura ainda mais. Então, se o tempo é curto, você pode se levantar, partir para fazer seus “intervalos milagrosos”, voltar e tomar seu “café da manhã”, e depois seguir seu dia!

Comer mais gordura.

Baixo teor de gordura está oficialmente morto! E se você quiser ser um “queimador de gordura” mais eficiente, comer mais gordura ajuda, especialmente se você comer mais ômega-3 através de peixes gordos, nozes e abacates. A pesquisa mostra que esses ácidos graxos ativam os receptores em seu trato digestivo que melhoram seu metabolismo de queima de gordura. Bernhardt pessoalmente recomenda ingerir cerca de 50 por cento de suas calorias diárias deste tipo de  gordura. “Acho que quando meus atletas ingerem um alto percentual de calorias provenientes de gordura, eles só precisam de cerca de 70 a 100 calorias por hora em suas bicicletas. Mas atenção: a ingestão de gordura não deve acontecer durante a noite. Outra coisa: “você precisa dar seu corpo várias semanas para se adaptar antes de você se sentir realmente bem durante os treinos principais “, diz ela. Ou seja: se você é um ciclista recreacional que pedala “de vez em quando”, esqueça esta história de 50 % de gordura em sua dieta. E lembre-se que esta gordura deve vir dos ácidos graxos provenientes do “omega-3″, e não do fast food mais próximo!

E, para finalizar, mais um mito que cai! Ignore os alimentos energéticos para pedais curtos. Sim, até mesmo “máquinas de queima de gordura” precisa para alimentar-se durante longos e/ou treinos mais pesados e competições. Mas muitos ciclistas comem muito, ingerindo barras energéticas e bebidas isotônicas antes, durante e depois de cada pedal, atrapalhando assim sua queima de gordura e, em alguns casos, até ganhando peso! Para passeios de menos de uma hora, deixe as bebidas esportivas e as barrinhas em casa.

Esperamos com isto tornar você uma verdadeira “máquina de queimar gordura”!

Sempre lembrando que, ao decidir treinar mais pesado, procure seu médico e faça antes uma avaliação de seu estado de saúde geral!

Boas pedaladas!


Postado em 5 de maio por gugamachado

Tags:, , , ,

25 Dicas “Top” para melhorar sua pedalada!!! (parte1)

 

De sua dieta até seus treinos de recuperação, há uma abundância de coisas a serem feitas para melhorar seu ato de pedalar!
Normalmente, a primeira coisa que os treinadores irão olhar é a sua dieta e a quantidade/ qualidade de seu sono. Uma noite de 8 a 9 horas de sono irá reparar e recuperar muito bem seu corpo! Treinos de força em musculação também irão te ajudar!
Melhore sua dieta:

Não importa quantos treinos você fizer, você não irá maximizar os resultados se sua dieta é uma “porcaria”. Não vamos aqui propor algo fora da realidade, como cortar o álcool (se você gosta, é claro!), mas vamos sugerir algumas melhorias que, quando combinadas, podem começar a te ajudar.
1. Perca algum peso para melhorar sua relação potência-peso. Lembre-se que gráficos de IMC estão em desuso para os indivíduos atléticos – eles são projetados para identificar pesos saudáveis para a população em geral.
Um monitor de composição corporal é muito melhor para os ciclistas. Os números de referência podem ser:
- 15 a 18% de índice de gordura para o sexo masculino, indivíduo não sedentário;
- 8 a 10% para um ciclista bem treinado;
- 4% para um ciclista de elite.
Aqui, o ideal é variar seus treinos entre passeios longos e fáceis e, mais intensos e curtos (nem que for “indolor”) para otimizar a capacidade de queima de gordura do seu corpo.
2. Não corte a gordura completamente de sua dieta. Ela desempenha um papel importante na reparação do tecido muscular após o treino, e ajuda a fornecer absorção de choque para os pés e órgãos, evitando assim lesões. Existem diferentes tipos de gordura, como as gorduras saturadas (sólidas, encontradas em coisas como manteiga e gordura animal), sendo esta o único tipo de gordura a evitar. Monoinsaturados e polinsaturados, que são aquelas gorduras líquidas à temperatura ambiente (como o azeite) tem vários benefícios para a saúde, incluindo a redução dos níveis de colesterol.
3. Capriche na proteína. Seu corpo só pode absorver 20 g ou mais de protína a cada refeição. Sendo assim, você pode “lanchar” durante todo o dia! E, se possível,  tenha um “shake” de recuperação (tipo “whey”) ou uma “barrinha” de proteína imediatamente após o treino. Tenha em mente porém, que a proteína só dá resultados com relação a reconstrução muscular quando você está treinando duro, e a maioria das pessoas não consegue construir mais de 1 kg de massa muscular em um mês.
4. Beba bastante água. É crucial para manter a capacidade do seu corpo de queimar gordura, se livrar de toxinas, e absorver os nutrientes dos alimentos. Recomendamos ter sempre uma garrafa d’ água ao seu lado no trabalho, e preenchê-la regularmente.
5. Corte o açúcar refinado. Este tipo de açúcar é muito abundante em refeições prontas, refrigerantes e junk food, e é uma das principais causas de obesidade e diabetes. Mas você sabia que além disto ele também pode enfraquecer o seu sistema de imunidade do corpo, e desempenhar estragos em seus níveis de energia? Adoçantes naturais, tais como xarope de agave azul (não indicado para diabéticos), são uma alternativa muito melhor para o seu café da manhã e cereais, mas se puder, afaste-se totalmente deste tipo de alimento.
6. Adquira o hábito de petiscar! Com isto não queremos dizer para você se tornar um “compulsivo” com relação a comer o dia todo! Mas planeje seus lanches para que você nunca fique sem comida ou bebida durante mais de quatro horas. Nozes, frutas, iogurte e carne seca são todos boas apostas.
7. Tente manter um diário alimentar. Não queremos dizer por mais de algumas semanas – pode começar a se tornar uma obsessão – mas aplicativos de smartphones como “MyFitnessPal” são rápidos, fáceis e intuitivos de usar. Eles podem ajudá-lo a obter uma boa idéia de como está a sua dieta atual, e identificar as áreas onde você pode melhorar.
8. Evite alimentos processados! Eles não só são muito mais elevados em açúcar e sal, como também irão te dar picos de energia curtos, em vez de uma libertação gradual de energia. Uma boa regra é olhar para o que você está prestes a comer e se perguntar: “Quão perto da matéria-prima original este alimento está?” Por exemplo, numa batata cozida o ingrediente principal é óbvio, mas numa lasanha refeição pronta … nem tanto.

Postado em 27 de agosto por gugamachado

Tags:, , , , ,

Será que sua água está realmente te hidratando?

 

Aqui no Brasil as temperaturas começam a subir. E com isto, nossa tendência é aumentar o consumo de água durante nossas pedaladas.

Mas antes que você faça isso, é bom saber algumas coisas sobre como o seu corpo realmente absorve os fluidos. De saída, sabemos hoje que hidratação  e absorção de fluidos não são a mesma coisa. Ou seja, beber uma tonelada de água não significa necessariamente que você será capaz de usar tudo isso, explica Stacy Sims, PhD, fundadora da “Osmo Nutrition”.

Para atingir um estado bem hidratado, você realmente precisa absorver os fluidos que você está consumindo. E estar hidratado significa que você tem todos os seus “compartimentos de água do corpo” em um equilíbrio relativamente uniforme, diz ela. “Absorção de fluidos é exatamente beber algo na quantidade que vai completar os fluidos necessários em diferentes compartimentos.” Caso contrário, você está apenas dando-se mais razões para fazer xixi!

Você precisa de mais do que apenas água!

Ao considerar a água em seu corpo, pense nisso: Embora seja verdade que somos feitos principalmente de água, nada desta água é H2O puro. Assim, para a sua bebida para ser facilmente absorvida no intestino e se espalhar para as células mais necessitadas, ele precisa ter a combinação certa de água e eletrólitos. “Você precisa principalmente de algum sódio e um pouco de glicose em uma bebida”, diz Sims. “Um pouco de açúcar  com eletrólitos melhora muito a  absorção do fluido pelo estômago, dividindo melhor este flíuido entre as células que mais necessitam de hidratação no momento, de modo a atenuar problemas de desidratação.”

Beber suas calorias pode estar prejudicando seu passeio e seu intestino

Só porque você não deve apenas beber água pura não significa que você deve optar por bebidas esportivas altamente calóricas. Estas bebidas açucaradas depositam-se em seu estômago, tirando água de outros espaços do seu corpo – essencialmente desidratando-o no processo. “Você nunca deve olhar para a sua bebida como uma fonte de calorias, porque então ela não vai hidratar você. E ainda seu corpo vai acabar puxando água de outros lugares para diluí-la “, diz Sims.

As mulheres podem precisar de uma mistura de bebida diferente dos homens

Sims é bem conhecida por dizer: “As mulheres não são pequenos homens.” Ela baseia muito de sua pesquisa e desenvolvimento de produtos neste conceito, especificamente quando se trata de necessidades das mulheres para bebidas esportivas.

“As mulheres não podem absorver tanta frutose como os homens, por isso bebidas esportivas que contêm frutose tendem a contribuir para um stress gastro-intestinal bem como a desidratação nas mulheres. É como despejar um monte de carboidratos em seu corpo “, diz ela. A frutose fica nos intestinos até que você possa ativá-la.

Se você é uma ciclista comprando uma bebida esportiva, passe longe daquelas ricos em frutose.

Tempere o seu passeio com uma pitada de sal!

Se você adora comida salgada, você vai adorar próximo conselho: Beba água com uma pitada de sal do mar durante todo o dia, especialmente antes de uma pedalada, para preparar para a máxima absorção de líquidos durante seu pedal.

Durante o exercício, o seu corpo está ocupado enviando sangue para os músculos, ao invés de gastar energia movendo-se através dos intestinos para digestão. No entanto, durante o repouso, o fluxo sanguíneo não acontece exatamente da mesma maneira. Portanto, há glicose suficiente no estômago e intestinos para ajudar no trasnporte de água, contanto que haja também sódio suficiente.

“Se você beber água com um pouco de sal enquanto não se exercitar, ele realmente facilita a absorção desta”, diz Sims , ” porque neste caso seu corpo não tem que “puxar” sódio de outros lugares para o intestino como objetivo de facilitar esta absorção. Ele já está bem ali.

 

Beber a mais pode ser tão ruim quanto beber a menos!

Beber a mais é um problema para os pedalantes, tanto em termos de estado de hidratação quanto, se você estiver usando uma bebida açucarada, de ganho de peso.

“Novos atletas que passaram por programas de treinamento muitas vezes se hidratam em excesso tentando melhorar o desempenho”, diz Sims. “Isso é porque ele tem sido incutida a idéia neles de beber 250mls de água a cada 15 minutos, independentemente do que eles estão fazendo ou de quem eles são.” A idéia de que os atletas devem beber uma quantidade X de líquido por hora é um erro, mas infelizmente ….

Não há nenhuma fórmula perfeita para o quanto a beber !

Não há cálculo simples para determinar exatamente o quanto você precisa beber em um pedal. Seu sexo, peso, índice de transpiração, e nível de condicionamento físico são todos fatores relevantes a serem levados em consideração. Temos também as condições climáticas em que você está pedalando (quente, frio, úmido ou seco) e do tipo de pedal que você está fazendo.

Beber a quantidade certa é um jogo de tentativa e erro, mas consultar um especialista, como um nutricionista esportivo ou mesmo o seu treinador, pode ajudar a chegar mais perto de aperfeiçoar o estado de hidratação!

 


Postado em 20 de agosto por gugamachado

Tags:, , , ,

Melhore sua dieta enganando sua mente!

Recentemente vimos neste post  o quanto o ciclismo impacta positivamente seu corpo e sua mente.

Mas ao final de um pedal cansativo, as vezes sua mente pode não fazer as melhores escolhas nutricionais…Infelizmente, Doritos não são alimentos ideais na nossa recuperação!

A partir de algumas pesquisas, vamos dar por aqui algumas dicas para manter sua alimentação alinhada com seus objetivos no pedal. Afinal,  você está sempre “alimentando” seu próximo pedal cada vez que você se senta para uma refeição!

A verdade é que mudar maus hábitos é bem complicado! Esta é a má notícia.

Nossos cérebros são projetados para funcionar como que em modo de “piloto automático”, o que significa que os velhos hábitos custam a morrer. Mas a boa notícia é que uma vez que você desenvolver bons hábitos alimentares novos, esses hábitos também vão se tornar automáticos! Portanto, você não está longe de uma mudança em seu estilo de vida!

Uma das pesquisas mostra que a criação de um novo hábito de comportamento saudável, tal como comer uma fruta na hora do almoço ou beber água durante uma refeição pode levar de 18 a 255 dias, com uma média de 66 dias! Portanto, ter problemas para largar velhos hábitos e criar novos é algo completamente normal.

Anexe velhos comportamentos a novos hábitos!

Você pode usar essa situação de “piloto automático” para a sua vantagem. Por exemplo: se você sempre leva uma “marmita” para o seu trabalho, mantenha este hábito, mas troque o sanduíche por uma grande salada com um grelhado, ou “ignore” o cookie em favor de uma fruta.

A meta é adquirir novos comportamentos em sua rotina diária, de modo que você vai se lembrar de realizá-los de maneira consistente pelo tempo suficiente para tornar estes comportamentos em novos hábitos.

Fique (e continue) motivado!
Se você não está motivado a mudar, provavelmente um hábito saudável  não vai “colar”. Enquanto não há um objetivo claro que traga alguma vantagem única em sua vida a partir de sua mudança, será muito difícil manter sua motivação inicial. Por exemplo: eu quero estar “bem” para aquela trilha com uma paisagem deslumbrante (e com uma subida extenuante) que meus amigos vão fazer em um mês; ou ainda, eu quero poder acompanhar melhor a pedalada aos domingos com meus filhos (sem “morrer” depois)…E por aí vai!

“Aqueles que têm pouca motivação ou intenção de mudar, ou têm sua mudança motivada pela pressão dos outros, ou ainda têm atitudes autodestrutivas sobre o seu comportamento, bem como baixa confiança, vão ter uma enorme dificuldade  em ver os resultados reais em suas mudanças”, diz a pesquisa.

Então, como “entrar no clima” para esta virada em nossas vidas?

Se você já se dedica a pedalar com frequência, você já tem uma idéia do que fazer para um hábito “colar”! Como ciclistas, nós queremos e precisamos estar sempre na melhor forma possível, o que significa, dentre outras coisas,  uma alimentação saudável.

E a motivação intrínseca com relação a alimentação saudável, por exemplo, vem de fazer algo porque você quer, não por recompensas ou para outra pessoa. “As recompensas são inerentes ao comportamento”, diz a pesquisa.

Por exemplo, você já pedala porque você ama pedalar, e não por quê você está ficando “fora da moda”. Assim, pense sobre alimentação saudável da mesma forma. Para atingir seu objetivo de comer melhor, escolha alimentos e dietas alimentares que são motivadas intrinsecamente. Se você gosta de frango e salada, então “carregue” no frango! Coma saudavelmente porque você quer, não porque você sente pressão de fora para fazê-lo. A maioria das pessoas que são coerentes com uma alimentação saudável comem o que elas gostam e se sentindo assim satisfeitas e confortadas em suas escolhas.

Coma alimentos saudáveis que você gosta de comer, ao invés de comer comidas que você odeia só porquê ouviu falar “faz bem”!

Garanta sempre que “o bem supere o mal”!

A maioria das pessoas desiste de dietas saudáveis dentro de um curto espaço de tempo, porque elas são difíceis de se seguir, não são agradáveis, são caras, ou demasiadamente demoradas. Mas a pesquisa alega que quanto mais tempo você permanecer com um novo comportamento como uma alimentação saudável, por exemplo, melhor ele fica! Você aprende a apreciar o sabor de uma fruta ao invés de um chocolate, você encontrará inclusive meios para gastar menos com alimentação, aprendendo novas receitas e métodos de cozimento que melhorar os sabores a partir de alimentos naturais, não industrializados!

“Toda mudança de comportamento tem prós e contras que devemos pesar e decidir se queremos realmente mudar este comportamento”, diz a pesquisa.” Alguns custos estarão sempre lá, como o cansaço e a dor muscular que nos acompanha após um pedal mais exigente. A beleza disto é que, ao longo do tempo, podemos achar que estes custos não mais custos, porque o cansaço não mais nos incomoda, ou uma experiência de dor não será mais tão negativa. ”

Pergunte a si mesmo “Por quê?”
Se você está tentando “chutar pra longe” um hábito ruim, tal como aquela “passada” rotineira na sua pastelaria preferida,  pense na comida como um “tratamento” para seu corpo! Se você está em busca do melhor combustível para sua pedalada, o que vai manter melhor seus níveis de glicose: um pastel ou um lanche de peito de peru? Porquê eu prefiro o pastel ao invés do sanduíche? Seria o pastel uma decisão mais “emocional”(mimo)? E seria o lanche é uma decisão mais racional (função/objetivo)?

A pesquisa diz que se você  mudar sua perspectiva de “mimo” para “função/objetivo”, pode ser mais fácil de “pular o croissant” e optar por algo que seja um melhor “combustível” para o seu passeio!

E aí, vamos “enganar” nossa mente?

 


Postado em 16 de agosto por Eu Vou de Bike

Tags:, ,

Dieta equilibrada – dicas para esportistas

Apesar de as pesquisas na área da Nutrição dos Esportes ainda estarem longe de serem completas, o consenso estabelece que as pessoas fisicamente ativas não necessitam de nutriente adicionais, além dos existentes em uma dieta balanceada.

Ainda assim, os praticantes de atividades físicas são “bombardeados” com informações inadqueadas, transmitidas por veículos e pessoas despreparadas, deixando-os confusos em relação ao que seria uma dieta balanceada e à real necessidade de suplementos alimentares.

Para manter uma dieta balanceada, é importante manter a hidratação adequada, ingerindo diariamente cerca de dois litros e meio de água, variando de acordo com a temperatura do ambiente, intensidade e duração da atividade física.

Veja algumas dicas de nutrição para a prática de exercícios físicos:

- Consuma frutas, verduras hortaliças – alimentos ricos em vitaminas, fibras e minerais -, além de alimentos responsáveis pelo fornecimento de carboidratos.

- Procure consumir alimentos ricos em proteínas, como pescados, aves, carnes, ovos, leite, queijo e iogurte, bem como certa quantidade de gorduras e ácidos graxos essenciais, especialmente do grupo ômega-3, encontrado com maior concentração nos peixes.

- É indicado o consumo regular de feijoões, favas, soja, ervilhas, amendoim e frutos secos, por serem fontes de proteínas, ácidos graxos essenciais como o ômega-6, vitaminas E, B6 e folato.

- Para garantir aporte adequado de gorduras, recomendamos o uso diário e moderado de óleo vegetal na preparação da comida, como azeite de oliva, milho, canola, girassol ou soja. Já carnes gordas, como bacon, pele de frango ou banha, ricos em gorduras saturadas, devem ser consumidos com cautela e moderação.

Vale lembrar que as quantidades dos alimentos e os horários das refeições devem ser adaptados de acordo com as características fisiológicas do indivíduo, as atividades realizadas, os diferentes momentos de treino e de recuperação.

A melhor dica para quem pretende levar a sério o esporte e pedalar de forma competitiva é procurar um nutricionista especializado para poder avaliar melhor suas reais necessidades, montando um plano personalizado para cada atleta.

* Artigo de Patrícia Bellini, nutricionista com especialização em Fisiologia do Exercício, na revista Houston, Ed. 1