Houston na web Youtube Flickr RSS

Blog Vou de Bike

Postado em 18 de fevereiro por gugamachado

Tags:, , , ,

5 motivos para acompanhar o mountain bike na Olimpíada Rio 2016!

Apesar de sermos um blog mais focado no ciclismo recreacional, nós por aqui gostamos muito do ciclismo esportivo. Em boa parte dos casos, ele é uma evolução natural daquelas pedaladas descompromissadas de domingo!

E nada melhor do que acompanhar os profissionais para nos inspirar, não é mesmo?

A apenas 6 meses dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, separamos para os fãs de bicicleta cinco motivos para não perder as provas de mountain bike na competição mais importante do mundo nessa temporada. Veja abaixo:

Ver de perto o melhor do mundo…

Atual campeão mundial e da Copa do Mundo, Nino vive o melhor momento da carreira aos 28 anos. A expectativa do atleta é vencer a prova no Brasil depois de quase chegar ao topo do pódio nas duas últimas edições dos jogos quando conquistou uma medalha de bronze em Pequim-2008 e outra de prata em Londres-2012.

E não faltam motivos para acreditar nisso. No evento-teste da Olímpiada que aconteceu no ano passado e foi realizado na pista onde acontecerá a prova oficial da competição.

…e outros grandes nomes da modalidade

Além de Schurter, o italiano Andrea Tiberi e os franceses Julien Absalon e Maxime Marotti estiveram entre os melhores na disputa pelas primeiras posições do evento-teste. Outro nome forte na disputa é o bicampeão olímpico e medalha de ouro em Londres-2012: o tcheco Jaroslav Kulhavy.

Surpresa no feminino

Ciclista mais jovem no top 20 do ranking mundial, Jenny Rissveds pode pintar como uma das surpresas. A suíça de apenas 21 anos participou do evento-teste da Olímpiada no ano passado e sob o calor de 35°C terminou a prova na terceira colocação. Ela já confirmou que vem ao Brasil para a prova oficial.

Oportunidade única

Quando o brasileiro fã de mountain bike terá a oportunidade de ver de perto os principais atletas do mundo disputando as primeiras posições numa prova de altíssimo nível como os Jogos Olímpicos? Não dá pra perder.

Para quem prefere estrada, triatlo é opção…

Um dos brasileiros que tem chance de representar o país-sede no triatlo é o atleta Reinaldo Colucci. Medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos de Gualadajara (2011), Colucci esteve em Pequim-2008 e Londres-2012. Experiente, ele destaca o peso de representar seu país numa competição como essa.

“É um momento histórico. Qualquer atleta olímpico fica muito mais orgulhoso de representar o seu país em uma Olímpiada dentro de casa. Existem competidores vitoriosos que nunca tiveram essa oportunidade”, finaliza Reinaldo Colucci.

A prova de triatlo masculino da Olimpíada Rio 2016 acontecerá no dia 18 de agosto, seguida pelo triatlo e mountain bike feminino no dia 20. No dia 21 de agosto, acontecerá a grande final do mountain bike masculino.

Curiosidades do mountain bike e do triatlo nas Olimpíadas em números:

2 é o número de medalhas que Nino Schurter conquistou em Olímpiadas: bronze em Pequim-2008 e prata em Londres-2012. Seria hora do ouro no Rio-2016?

7 kg pesa a bicicleta Scott Foil que Reinaldo Colucci usará na prova.

27,5 é o tamanho da roda da Scott Spark 700 RC que Nino Schurter usará na prova.

88 ciclistas (54 no masculino e 34 no feminino) estiveram no evento-teste para os Jogos Olímpicos no ano passado. Na ocasião, Nino Schurter saiu com a vitória.

535 é o número de quilômetros que o triatleta Reinaldo Colucci chega a fazer por semana durante seu período de treinos de natação, ciclismo e corrida agora no início da temporada.

1996 foi o ano em que o mountain bike estreou nos Jogos Olímpicos, em Atlanta (EUA). O primeiro campeão no masculino foi Bart Brentjens. Ainda em atividade, o holandês segue conquistando títulos, agora ao lado do atleta brasileiro Abraão Azevedo.

2000 foi o ano em que o triatlo estreou em uma Olimpíada. O evento foi realizado em Sidney (Austrália) e o canadense Simon Whitfield levou a medalha de ouro.

500 mil pessoas foram às ruas para acompanhar de perto a primeira prova de triatlo em Olímpiada da história.

E aí? Se animou para acompanhar o ciclismo nas olimpíadas?