Houston na web Youtube Flickr RSS

Blog Vou de Bike

Postado em 11 de outubro por Eu Vou de Bike

Tags:,

Dicas para transportar crianças na bike

Neste último domingo tive a oportunidade de passear pela Ciclofaixa de São Paulo e por alguns parques da cidade – Ibirapuera, Parque do Povo e Parque das Bicicletas – em um horário de “gente normal”, por volta das 10h. Normalmente pedalo muito mais cedo e a essa hora já estou pronto para os compromissos familiares de domingo.

Neste passeio, pude constatar o quanto o pessoal tem aproveitado esta oportunidade de pedalar livremente e com segurança pelas ruas de São Paulo, algo impensável tempos atrás. Falando em tempos atrás, lembrei-me de como a minha filha adorava quando eu passeava com ela em minha bike, na época equipada com uma cadeirinha especial.

Crianças nas bikes

Pedalando pelos parques, me surpreendi com a quantidade de pessoas levando os pequeninos para um passeio. Mas notei também que alguns não estavam equipados adequadamente, pondo em risco a segurança do condutor e, principalmente, a segurança da criança, e assim resolvi escrever este post.

Todas as crianças que conheci adoram “dar um rolê” nas cadeirinhas! E para isto, nosso cuidado se inicia tanto no momento da escolha do sistema a ser utilizado, quanto na fixação do mesmo.

Infelizmente, não existem normas ABNT e nem do Inmetro com relação às cadeirinhas para transporte. Assim, o ideal é optar por algum equipamento que tenha certificação internacional e que seja de marca conhecida – Topeak, Polisport, Isapa -, evitando as cadeirinhas “de fundo de quintal”. Além disso, fique muito atento ao manual para fixação, que deve ser “seguido à risca”, evitando adaptações ou gambiarras.

Para o passeio dos pequenos, tanto faz o sistema de transporte dianteiro ou traseiro – eu já vi ciclistas andando com os dois ao mesmo tempo! Na minha opinião, a partir de minhas observações, as crianças curtem mais ir na cadeirinha da frente, observando melhor o percurso. Mas reafirmo que isto é meu conceito subjetivo.

O fato é que na hora da compra devemos checar se a cadeirinha se adapta bem ao modelo de nossa bike. Se puder, leve sua bicicleta e a criança que será transportada ao local da compra para ver se o conjunto se “encaixa” perfeitamente, evitando gambiarras. Se possível, opte pelos modelos do tipo “concha”, que envolvem toda a lateral do corpo da criança, evitando lesões em caso de queda.

Assim como o condutor da bike, as crianças também devem usar capacete específico para os pequenos. Estes itens são facilmente encontrados nas boas bike shops. Há inclusive um modelo que já vem com canetinhas para que a própria criança customize seu capacete!

A cadeirinha deve estar sempre adaptada ao peso e ao tamanho da criança. Normalmente, a dianteira é feita para crianças de até 15 quilos e a traseira é usada para crianças de até 22 quilos. Além do peso, verifique o tamanho e veja se a criança não está muito apertada no equipamento.

Para carregar seu filho ou filha na bike, o ideal é começar devagar e treinar o transporte em percursos menores. A condução da bike fica bastante alterada devido ao acréscimo de peso e a mudança no centro de gravidade. Mas com certeza esse esforço de adaptação vale a pena!

Pedale sempre defensivamente e em velocidade de passeio. Lembre-se que qualquer ocorrência pode significar um trauma que pode afastar o pequeno das duas rodas – e definitivamente não queremos isto!

Então aproveite o feriado prolongado e leve seus pequenos queridos para uma volta!

* Por Guga Machado


Postado em 6 de setembro por Eu Vou de Bike

Tags:, , , , ,

O que é viajar de bicicleta?

O que é viajar de bicicleta? O vídeo abaixo tem algumas respostas…

Veja a tradução abaixo

O que é viajar de bicicleta?
Viajar de bicicleta não é sobre a bicicleta
É sobre ir devagar
Explorar seu país e vê-lo pela primeira vez
É sobre fazer alguma coisa que você achava que não conseguiria
É sobre pedalar a algum lugar que você nunca esteve
É sobre subir lentamente uma montanha
E depois descer voando
É sobre viajar com os amigos
E fazer novos amigos no caminho
É sobre barraquinhas de frutas no acostamento
E descobrir as melhores refeições que você já fez
É sobre se perder para se encontrar
Mas acima de tudo, viajar de bicicleta é sobre pessoas
Compartilhar histórias com outros viajantes
E dar risada com os locais
Porque quando você viaja de bicicleta, é impossível não sorrir
E as pessoas sorriem de volta
Viaje de bicicleta. Viva mais.

Gostou do vídeo? Bateu a inspiração para sair por aí pedalando pelas estradas do Brasil e do mundo? Então você precisa conhecer mais sobre o cicloturismo, uma prática já bem comum na Europa, mas ainda pouco popular no Brasil, principalmente por conta da falta de estrutura para os cicloturistas nas estradas.

Existem várias modalidades do cicloturismo, desde aquelas em que o ciclista viaja por vários dias, semanas ou meses até um destino estabelecido ou, nos casos mais comuns, quando o ciclista tira um dia ou fim de semana para conhecer alguma cidade turística perto de sua casa.

Existem vários sites especializados em cicloturismo, como o Clube do Cicloturismo, com dicas de roteiros e dicas práticas para quem quer fazer a viagem sem muitos percalços. É um bom ponto de partida para quem quer experimentar uma das formas mais livres de se conhecer outras regiões.

- O vídeo foi encontrado no Pedaleiro


Postado em 9 de fevereiro por Eu Vou de Bike

Tags:, , , , ,

Dicas para pedalar na cidade

Ao longo das próximas semanas, vamos compilar aqui no Eu Vou de Bike uma série de dicas que já publicamos ao longo de quase seis anos de blog.

Nesta primeira, vamos dar algumas dicas para você pedalar na cidade com mais segurança, sem se envolver em acidentes e garantindo um trajeto tranquilo. As dicas são para quem está começando e quer

1. Pedale no lado direito da via e, caso necessário, ocupe a faixa. Evite ao máximo pedalar na contra-mão. Na estrada, use o acostamento.

2. Cuidado com carros estacionados. Portas podem ser abertas a qualquer momento, e este acidente é mais comum do que se imagina. Ao passar por carros estacionados, procure observar se há ocupantes dentro destes, o que pode indicar alguém que vai sair sem prestar a devida atenção.

3. Seja previsível aos motoristas. Não mude de direção sem deixar clara a sua intenção. Procure não “costurar” nos congestionamentos e evite ao máximo trafegar pela calçada.

4. E agradeça sempre com sinal de positivo ou dizendo “Obrigado” aos motoristas que se mostrarem civilizados e facilitarem a sua passagem.

5. Não se envolva em discussões inúteis nem xingue os mais estressados.

6. Não execute manobras com sua “bike” para as quais não esteja treinado. É tombo na certa.

7. Procure vestir sempre roupas adequadas ao clima. Durante a noite, dê preferência a cores mais claras.

Foto: Nick-K


Postado em 8 de dezembro por Eu Vou de Bike

Tags:, , , ,

Cuidado com a bicicleta no topo do carro !

Uma das maneiras mais seguras de transportar a bicicleta no carro é em um bagageiro no topo do veículo. Mas isso não quer dizer que acidentes não podem ocorrer.

É sempre bom ficar esperto para que não aconteça o que pode ser visto abaixo. Ou seja, cuidado com a altura dos portões, viadutos e pontes quando a bicicleta estiver sobre o carro! :)

Segundo a normatização do Contran (Conselho Nacional de Trânsito), o melhor modo de transportar sua bicicleta sobre quatro rodas é por meio da canaleta instalada sobre o carro.

Outro modo muito usado pelos ciclistas, o rack na traseira dos veículos, pode prejudicar a visão do motorista, obstruir a identificação da placa do carro e ainda exceder a largura do carro. Além disso, levar a bicicleta dentro do veículo pode ser bem perigoso. Saiba mais aqui!


Postado em 7 de julho por Eu Vou de Bike

Tags:, , , , ,

Por uma vida mais feliz e mais intensa

Nada melhor do que terminar a semana com um incentivo a mais para pedalar. Apesar de meio antigo, o vídeo abaixo é um dos mais belos que já publicamos aqui no Eu Vou de Bike e certamente vai te dar aquele empurrãozinho que faltava para pegar a bicicleta e sair explorando a cidade por aí!

Batizado de Holstee Manifesto, o vídeo é um chamado para uma vida mais criativa, cheia de paixões e boas intenções. Segundo a descrição do vídeo no YouTube:

“Enquanto procuramos viver em um estilo de vida que deixa impactos positivos nas pessoas e no mundo ao nosso redor, a bicicleta se tornou uma paixão que é muito mais que uma alternativa de transporte. É uma maneira de viver intensamente todos os detalhes da cidade que amamos”.


Postado em 3 de março por Eu Vou de Bike

Tags:, , , ,

Quer poupar? Vá de bicicleta!

Andar por aí de carro está cada vez mais caro. Além dos gastos com combustível, que não param de aumentar, o motorista ainda tem que se preocupar com seguro, IPVA, estacionamento… E ainda tem o tempo perdido nos congestionamentos, e nos dias de hoje, tempo é dinheiro, né?

E como economizar, então? Usando a bicicleta como meio de transporte! Um estudo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) constatou que ir de bicicleta ao trabalho custa cerca de 17 centavos por quilômetro. De carro, esse valor chega a mais de 1 real por quilômetro rodado.

Segundo o estudo divulgado em 2011, quem adotar a bicicleta como meio de transporte pode economizar cerca de R$ R$ 3.700 por ano em relação à manutenção de um automóvel.

De acordo com reportagem do O Eco, o levantamento considerou o preço de uma bicicleta nova, a aquisição de acessórios, a depreciação e a manutenção do equipamento, com base em trajetos de 20 quilômetros por dia.

Quer saber, em média, quanto você economiza ao trocar o carro pela bicicleta? Aqui no Eu Vou de Bike, nós temos uma ferramenta que faz esses cálculos por você.

Abaixo, vamos fazer a simulação de uma situação em que a pessoa vai ao trabalho 5 dias por semana, a 7 quilômetros de distância, e também usa a bicicleta para ir até a academia, que fica a 4 quilômetros de distância, três vezes por semana. Veja só:

Em uma semana, apenas nesses dois trajetos, essa pessoa teria pedalado 52 quilômetros. Sabe o que isso significa de economia no bolso, apenas com combustível (sem contar estacionamento, manutenção do carro, seguro, etc)? R$ 23,90! Em um mês, fazendo apenas esses dois trajetos bem curtos, dá pra economizar quase R$ 95,60 só de combustível! Além disso, nesses 52 quilômetros, a pessoa queimou 3 mil calorias, o que é ótimo para a saúde, e ainda poupou o meio ambiente da emissão de 14 quilos de poluentes.

>> Faça as suas contas na calculadora do Eu Vou de Bike*

Viu como é possível evitar que o preço da gasolina tire o seu sono? Quanto mais você pedalar, mais vai economizar. E o único combustível necessário será o arroz e feijão para manter a força nas pernas na hora da subida!

* Atenção: os números da calculadora são aproximados e podem variar, dependendo do preço da gasolina da sua cidade, do nível de congestionamento, do seu preparo físico e do grau de subidas e descidas do percurso


Postado em 4 de janeiro por Eu Vou de Bike

Tags:, , , ,

Comece o novo ano pedalando!

Eu vou de bike

Começo de ano é sempre a mesma coisa, com metas e resoluções que acabam esquecidas na rotina diária ao longo dos meses. Se a sua resolução para 2016 é ter uma vida mais saudável (e até perder uns quilinhos), a bicicleta pode ser uma ótima opção (calcule quantas calorias você perde ao trocar o carro pela bicicleta).

Para começar 2016 pedalando, separamos alguns textos que já publicamos aqui no Eu Vou de Bike que dão ótimas dicas para quem pensa em começar a rodar de bicicleta por aí, seja para lazer ou como uma ótima forma de transporte.

Antes de mais nada, você precisa saber que a decisão de começar a trocar o carro pela bicicleta não é tão difícil quanto parece. Para fazer esta troca de maneira prazerosa, a primeira questão é a escolha do trajeto. Você deve, sempre que possível, evitar as grandes avenidas, especialmente no início. E, mesmo quando se tornar um atleta e tiver mais experiência na bike, pense bem: é muito mais gostoso andar por ruas calmas e arborizadas! Veja mais dicas aqui no post inaugural deste site!

Depois que você decidiu pedalar, é muito importante saber quais são os equipamentos de segurança recomendados para um trajeto mais seguro. Luzes de identificação, buzina, faróis… Está tudo bem explicado aqui neste post.

Quando pedalamos em parques ou nas ruas, temos de ter consciência que estamos operando um veículo como outro qualquer. Portanto, nosso comportamento sobre a bicicleta deve seguir um padrão para, por exemplo, indicar aos motorista que vamos dobrar uma esquina. Veja algumas orientações básicas de postura no trânsito para uma pedalada muito mais segura para você e para os outros.

Se você que se aprofundar no assunto, vale dar uma olhada no texto em que explicamos algumas noções de ergonomia para a compra da bike e como se comportar sobre a bicicleta em dias de chuva.

Veja também como travar a sua bicicleta com mais segurança no paraciclo e como NÃO estacionar sua bicicleta. Por fim, veja algumas dicas de manutenção para que sua bike não te deixe na mão no meio da pedalada.

Com as informações acima, você já pode sair pedalando tranquilamente pelas ruas da sua cidade. Comece aos poucos, vá pegando confiança e aproveite o mês de férias para circular mais, uma vez que as ruas estão bem mais vazias.

Feliz 2016 e boas pedaladas!


Postado em 26 de novembro por gugamachado

Tags:, , , , , ,

Pedale e economize 24 trilhões para o mundo!

No início de novembro, o ITDP que tem no Brasil como um dos gestores nosso querido amigo Thiago Benicchio, publicou um relatório intitulado “A Global High Shift Cycling Scenario” que elencou enormes benefícios globais que trariam mudanças drásticas para melhor, caso mais pessoas trocassem seus deslocamentos de carro pela mobilidade por bicicleta.

Atualmente, menos de 7% dos deslocamentos mundiais são feitos por bicicletas. Os pesquisadores avaliaram o que aconteceria se um total de 23 % dos trajetos mundiais passassem a ser  feitos por bicicletas, ou mesmo e-bikes (bicicletas elétricas), até o ano de 2050.

Eles explicam ainda que, na maioria dos países,  quase 35 % dos trajetos realizados são de menos de cinco quilômetros entre sua origem e destino, sendo que 50 % estão a menos de 10 km!

Quando você pensa em “pedalar” estas distâncias ao invés de “dirigir”, não parece uma quilometragem muito alta para se percorrer em bicicletas, principalmente, como apontam os autores, se você estiver usando uma e-bike para a maioria de suas viagens . E isto não é pedir demais, não é? Sem mencionar o benefício para sua saúde física e mental individual!

O relatório ainda traz o seguinte número: Se esta troca fosse realizada (de 7% para 23% de aumento nos deslocamentos de bicicleta) a sociedade economizaria 24 trilhões de dólares (!!!!!) cumulativos entre o ano de 2015 e 2050, e diminuiria em 11 pontos percentuais a quantidade de emissão de CO2 proveniente do transporte urbano. Isto são mais de 300 megatoneladas de CO2, de acordo com o ITDP!!!!

Então se você ainda precisa de algum motivo para repensar seus deslocamentos por carro, aqui vão alguns:

- Você vai economizar dinheiro!

- Vai proteger seu planeta!

- E vai tornar-se mais saudável e feliz!


Postado em 9 de julho por Eu Vou de Bike

Tags:, , , ,

Pesquisa comprova: transporte saudável = vida saudável!

Nos dias de hoje, é muito comum nos preocuparmos com o nosso bem-estar. Mas um dos maiores vilões da nossa saúde continua por aí, cada vez mais presente: o carro!

Um estudo realizado pela Associação Média Britânica, publicado na revista Popular Science, comprovou com fatos e dados concretos que os carros engordam e diminuem a expectativa de vida.

Segundo o estudo, batizado de ‘Transporte Saudável = Vidas Saudáveis‘, o aumento no número de veículos nas últimas décadas teve os seguintes impactos negativos na saúde:

- Mais risco de acidente, deixando pedestres e ciclistas mais vulneráveis;
- Mais exposição a poluentes do ar, diminuindo a expectativa de vida;
- Quem usa apenas o carro para se locomover apresenta um maior índice de obesidade;
- Áreas com mais trânsito apresentam maior mortalidade por doenças relacionadas à poluição do ar;
- O trânsito provoca distúrbios causados pela poluição sonora.

E como evitar todos esses malefícios causados pelo uso intenso do carro como meio de transporte? O estudo da Associação Média Britânica mostra que o caminho é apostar em formas mais ativas de locomoção sempre que possível, como caminhar ou pedalar.

“Caminhar e pedalar são as formas de transporte mais sustentáveis e são associadas com um grande número de reconhecidos benefícios para a saúde”, diz a pesquisa. Veja alguns benefícios comprovados abaixo:

- Aumenta a saúde mental;
- Melhora o humor;
- Reduz o risco de morte prematura;
- Ajuda a emagrecer;
- Previne doenças crônicas como hipertensão, diabetes, osteosporose, depressão e câncer;

Apesar de defender a bicicleta e a caminhada sempre que possível, o estudo entende que para trajetos mais longos, o transporte público deve ser usado para evitar o uso do automóvel. “Combinar meios ativos (bicicleta e caminhada) com o transporte público pode ajudar a população a atingir o nível de atividade física diária recomendada”, dizem os pesquisadores.

Com esses resultados cientificamente comprovados, a Associação Média Britânica sugere um maior investimento do governo na criação de incentivos para as formas mais ativas de transporte, não fazendo do automóvel a melhor opção para viagens curtas dentro das cidades.

Agora, sabendo que usar o carro na maior parte do tempo faz mal para a saúde, não chegou a hora de racionalizar e repensar o estilo de vida que levamos? Não seria hora de começar a usar mais o transporte público da cidade, começar a pedalar para trajetos curtos ou até começar a caminhar para alguns compromissos? A sua saúde certamente vai agradecer! :)

>> Veja a pesquisa na íntegra (PDF em inglês)


Postado em 18 de junho por Eu Vou de Bike

Tags:, , , , ,

Características de uma bicicleta urbana

Por sugestão de nossa leitora Mariane, decidimos reunir neste post as principais características de uma bicicleta urbana, bem como os equipamentos obrigatórios e os desejados para uma melhor performance na cidade.

Com a recente especialização que o mercado das bicicletas vem experimentando, é possível adquirir uma bicicleta completamente concebida e manufaturada para o uso urbano como meio de transporte. Mas aqui no Brasil, infelizmente, isto ainda está muito longe da realidade, e o mais comum é encontrarmos bicicletas “adaptadas” para o uso na cidade, quando muito!

Na maioria dos casos, seja pela falta de informação ou de recursos, o que encontramos são mountain bikes, bicicletas utilitárias (aquelas com geometria para transportar grandes cargas), algumas estradeiras mais antigas e por aí vai. Todas elas executam a tarefa de nos transportar, mas se podemos realizar algo com mais conforto e eficácia, por que não?

A bicicleta é comprovadamente o melhor meio de transporte para distâncias até 7 km, aproximadamente. Lógico que ela pode ser utilizada em distâncias maiores, como também pode ser utilizada comutada com outros meios de transporte, tais como ônibus, trens, metrôs, e até carros.

Agora para quem utiliza a bicicleta como meio de transporte, algumas características mínimas são bem aceitáveis, a saber:

- geometria adequada, fornecendo uma posição mais “ereta” ao ciclista (upride), com isto possibilitando maior conforto e mais visibilidade, tanto do ciclista propriamente dito, quanto a percepção deste por parte dos outros integrantes do trânsito.

- pneus mais finos (de 1.0 a 1.5 polegada) e lisos, ou seja, sem os cravos tão comuns nas mountain bikes. Os pneus podem ser também do tipo híbridos, em que o centro do pneu é liso e a lateral contém alguns cravos baixos. Se o aro for 700 ao invés do 26 (mais comum) também teremos um rodar mais confortável e regular.

- bagageiro, que pode ser dianteiro, traseiro, ou mesmo, dependendo da necessidade de carga no transporte, bagageiros dianteiros e traseiros. Inclusive estes podem conter alforges, que protegem melhor nossa carga.

- paralamas dianteiro e traseiro, para evitar a provável “sujeira” que a cidade contém e que fatalmente nos atinge.

- protetor de corrente: para permitir a utilização de roupas “normais” em nossas idas e vindas aos compromissos.

- transmissão interna no cubo traseiro, evitando assim, mecanismos complexos expostos, e diminuindo a necessidade de manutenção periódica.

Como itens obrigatórios pelo código nacional de transito (CONTRAN, art. 105), temos que ter:

- a campainha;

- sinalização reflexiva noturna dianteira (cor branca):

- sinalização reflexiva noturna traseira (cor vermelha);

- sinalização reflexiva nos pedais, e

- espelho retrovisor do lado esquerdo.

Esperamos com estas informações ajudar a tornar seu pedal urbano mais eficiente e agradável.

E lembre-se: sempre que possível, vá de bike! E não se esqueça de usar os itens de proteção individual: capacete, luvas e óculos.

Por Guga Machado, com a colaboração de Leandro Valverdes, sócio-proprietário da loja especializada em bicicletas urbanas, a Ciclo Urbano. Agradecimentos também a Biketime



Próxima